DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 01/05/2019

Padre vem da Itália festejar jubileu na Diocese

Padre João da Cunha comemorou 25 anos de ordenação

 
| Crédito: Jussane Franco - Paróquia Nossa Senhora de Fátima/Ponta Grossa

      Voltando onde tudo começou, padre João da Cunha veio de Veneza festejar na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Bairro Oficinas, em Ponta Grossa, seus 25 anos de sacerdócio. No último domingo (28), celebração da Santa Eucaristia reuniu o padre Franco Allen Somensi, que representou o superior provincial da Congregação Cavanis, Edemar de Souza, colegas sacerdotes e leigos, em ação de graças pelo jubileu de prata. Em seguida, padre João ofereceu um almoço a familiares e alguns amigos. O padre viajou a Curitiba ainda no domingo e retornaria essa semana à Itália.

      Padre João da Cunha nasceu no distrito de Tereza Cristina, em Cândido de Abreu, e veio com perto de 15 anos para Ponta Grossa, onde morava na Casa do Menor Irmãos Cavanis, que fica ao  lado da Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Foi ordenado diácono e, em 18 de junho de 1994, padre religioso. “Somos homens de Deus e queremos colocar tudo na nossa vida a serviço dos irmãos e, de modo particular, ao serviço das crianças. Eu me lembro com grande ternura da Casa do Menor. 25 anos atrás, cantando na primeira missa, me entregando presentes, cartinhas - algumas que guardo ainda hoje. Agradeço a minha família. Faltam algumas peças importantes, pai, mãe, irmão, minha avó, que no céu rendem graças ao Senhor pelo meu ministério”, dizia  emocionado.

      “Voltar à paróquia é voltar a casa. E a paróquia mudou muito. Não lembra em nada o que era há 25 anos. Para mim, estar aqui vale muito mais do que na Basílica de São Marcos, na de São Pedro, qualquer outra igreja, porque aqui fui ordenado padre”, prosseguiu, contando que o pároco da Nossa Senhora de Fátima, João Holanda, tinha um linda casula preparada para a cerimônia, mas que preferiu vestir a mesma de 25 anos atrás. “O cálice também é o mesmo de 25 anos, que celebrou a primeira Santa Missa. São lembranças que te falam intimamente do grande mistério que Deus reveste a nós sacerdotes. E um sacerdote, como diz o Papa,  não deve ser protagonista de si mesmo, mas o protagonista daquele que o chamou pelo nome, o consagrou, o enviou: Jesus de Nazaré”.

      Padre João se disse impressionado com o trabalho de Deus em sua vida. “Há 25 anos, estava no Equador, primeiro ano de sacerdócio. Chovia muito. Estava em uma capela no meio da selva, tinha batizados e primeira eucaristia de manhã. Até um ponto a caminhonete 4x4 conseguiu chegar, mas depos fui a pé mesmo. À tarde, tinha missa em outra capela e casamento. A caminhonete atolou no barro. Não sabia o que fazer. Pensei: meu Deus, um ano atrás era festa. Hoje, estou sozinho, no meio mato, molhado, com o sapato sujo de barro e um casamento me espera... Cheguei em casa, esperando que comeria a minha comida de sempre. Os padres e seminaristas tinham preparado frango, maionese, bolo e até um presente tinha. E hoje, chove, lembrando as graças do Batismo e as graças de Deus, e graças abundantes. Muito obrigada a todos, a vocês que levo em meu coração. Agradeço as orações. Rezemos sempre pelas vocações para que Deus continue chamando operários para a messe”, comentou.   

      Padre Franco Allen Somensi, que falou em nome do Provincial, é pároco da Paróquia São Judas Tadeu, de Castro e integrante do Conselho da Congregação Cavanis no Brasil. “Padre João Cunha, que foi ordenado em Ponta Grossa, aqui na paróquia, e em seguida partiu para a missão, é uma inspiração para a Província Antonio e Marcos Cavanis, por sua vocação. Importante estarmos aqui, celebrando, nos unindo em ação de graças por essa grande dádiva para todos nós”, enfatizou. O padre lembrou que, em 2019, se festeja os 50 anos da chegada dos Cavanis em terras brasileiras. “Convidamos a todos que conhecem os Cavanis a se alegrar junto e a celebrar em todas as paróquias e em todas as nossas obras esses 50 anos”, sugeriu padre Franco.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
|





Publicado em: 01/05/2019

Padre vem da Itália festejar jubileu na Diocese

Padre João da Cunha comemorou 25 anos de ordenação

 

      Voltando onde tudo começou, padre João da Cunha veio de Veneza festejar na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Bairro Oficinas, em Ponta Grossa, seus 25 anos de sacerdócio. No último domingo (28), celebração da Santa Eucaristia reuniu o padre Franco Allen Somensi, que representou o superior provincial da Congregação Cavanis, Edemar de Souza, colegas sacerdotes e leigos, em ação de graças pelo jubileu de prata. Em seguida, padre João ofereceu um almoço a familiares e alguns amigos. O padre viajou a Curitiba ainda no domingo e retornaria essa semana à Itália.

      Padre João da Cunha nasceu no distrito de Tereza Cristina, em Cândido de Abreu, e veio com perto de 15 anos para Ponta Grossa, onde morava na Casa do Menor Irmãos Cavanis, que fica ao  lado da Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Foi ordenado diácono e, em 18 de junho de 1994, padre religioso. “Somos homens de Deus e queremos colocar tudo na nossa vida a serviço dos irmãos e, de modo particular, ao serviço das crianças. Eu me lembro com grande ternura da Casa do Menor. 25 anos atrás, cantando na primeira missa, me entregando presentes, cartinhas - algumas que guardo ainda hoje. Agradeço a minha família. Faltam algumas peças importantes, pai, mãe, irmão, minha avó, que no céu rendem graças ao Senhor pelo meu ministério”, dizia  emocionado.

      “Voltar à paróquia é voltar a casa. E a paróquia mudou muito. Não lembra em nada o que era há 25 anos. Para mim, estar aqui vale muito mais do que na Basílica de São Marcos, na de São Pedro, qualquer outra igreja, porque aqui fui ordenado padre”, prosseguiu, contando que o pároco da Nossa Senhora de Fátima, João Holanda, tinha um linda casula preparada para a cerimônia, mas que preferiu vestir a mesma de 25 anos atrás. “O cálice também é o mesmo de 25 anos, que celebrou a primeira Santa Missa. São lembranças que te falam intimamente do grande mistério que Deus reveste a nós sacerdotes. E um sacerdote, como diz o Papa,  não deve ser protagonista de si mesmo, mas o protagonista daquele que o chamou pelo nome, o consagrou, o enviou: Jesus de Nazaré”.

      Padre João se disse impressionado com o trabalho de Deus em sua vida. “Há 25 anos, estava no Equador, primeiro ano de sacerdócio. Chovia muito. Estava em uma capela no meio da selva, tinha batizados e primeira eucaristia de manhã. Até um ponto a caminhonete 4x4 conseguiu chegar, mas depos fui a pé mesmo. À tarde, tinha missa em outra capela e casamento. A caminhonete atolou no barro. Não sabia o que fazer. Pensei: meu Deus, um ano atrás era festa. Hoje, estou sozinho, no meio mato, molhado, com o sapato sujo de barro e um casamento me espera... Cheguei em casa, esperando que comeria a minha comida de sempre. Os padres e seminaristas tinham preparado frango, maionese, bolo e até um presente tinha. E hoje, chove, lembrando as graças do Batismo e as graças de Deus, e graças abundantes. Muito obrigada a todos, a vocês que levo em meu coração. Agradeço as orações. Rezemos sempre pelas vocações para que Deus continue chamando operários para a messe”, comentou.   

      Padre Franco Allen Somensi, que falou em nome do Provincial, é pároco da Paróquia São Judas Tadeu, de Castro e integrante do Conselho da Congregação Cavanis no Brasil. “Padre João Cunha, que foi ordenado em Ponta Grossa, aqui na paróquia, e em seguida partiu para a missão, é uma inspiração para a Província Antonio e Marcos Cavanis, por sua vocação. Importante estarmos aqui, celebrando, nos unindo em ação de graças por essa grande dádiva para todos nós”, enfatizou. O padre lembrou que, em 2019, se festeja os 50 anos da chegada dos Cavanis em terras brasileiras. “Convidamos a todos que conhecem os Cavanis a se alegrar junto e a celebrar em todas as paróquias e em todas as nossas obras esses 50 anos”, sugeriu padre Franco.


Diocede Ponta Grossa
  |   Jussane Franco - Paróquia Nossa Senhora de Fátima/Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A missa em ação de graças pelo jubileu de prata de padre João aconteceu no domingo pela manhã   |   Jussane Franco - Paróquia Nossa Senhora de Fátima/Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Padre João da Cunha foi ordenado em junho de 1994 e mora hoje em Veneza   |   Jussane Franco - Paróquia Nossa Senhora de Fátima/Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
  |   Jussane Franco - Paróquia Nossa Senhora de Fátima/Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia