DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 03/07/2019

Cavalgada demonstra fé de devotos

Cavaleiros viajam mais de mil quilômetros até Aparecida

 
Os burros e mulas são alternados durante o trajeto para não exigir dos animais   Os burros e mulas são alternados durante o trajeto para não exigir dos animais | Crédito: Miguel Taborda

      E a fé segue sendo demonstrada de diferentes formas. Desta vez, é a cavalo que um grupo de oito homens saíram de Reserva, na Diocese de Ponta Grossa, no último domingo (30), com destino ao Santuário Nacional de Aparecida.  A comitiva, que é assessorada por mais três pessoas – dois motoristas e um cozinheiro – está entre Piraí do Sul e Tibagi.  Ainda que não seja uma romaria promovida pela Paróquia Menino Jesus, o pároco, padre Fábio Sejanoski,  forneceu cartas de recomendação e de Instrução - para instruí-los espiritualmente no caminho – e fez o envio  dos romeiros. A chegada está prevista para dia 27.

      O grupo é formado produtores rurais, todos amigos e devotos de Nossa Senhora Aparecida. Os cavaleiros são Miguel Pedro Taborda Messias Filho, Marcelo Cionek Pedroso, Ezequiel Domareski, Ronaldo Wantroba, Fernando Didek, Sebastião Ferreira Possidonio, Marlei Ferreira Possidonio e Valdinei Sebastião Martins. Mário Cezar Custodio e Eloi Rafael Sauter dirigem os dois caminhões, um com comidas e camas, e outro com ração, feno, alfafa, aveia e milho para os animais. O cozinheiro é Nilceu Sebastião Lanhoso. O percurso total é de 1.020 quilômetros, dos quais são feitos, em média, 50 quilômetros por dia, com intervalos de descanso.

      Cada um dos cavaleiros viaja com dois animais - mulas e burros - e mais um sobressalente, caso seja necessário. “Todos os animais com exames e vacinas em dia, respeitando a regulamentação vigente. O grupo estava há mais de um ano pensando a viagem, porque uma viagem destas requer uma logística complexa”, conta Miguel Pedro Taborda Messias Filho, um dos organizadores, citando que os recursos para a viagem foram levantados guardados mês a mês por eles, por doações da comunidade e a venda de rifas.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Presépio dos Arautos inaugura dia 4   |   Padres formadores têm curso em Roma   |   Ação da Catequese coleta mil garrafas com lacres   |   Campanha quer construir escola em Quebo   |  





Publicado em: 03/07/2019

Cavalgada demonstra fé de devotos

Cavaleiros viajam mais de mil quilômetros até Aparecida

 

      E a fé segue sendo demonstrada de diferentes formas. Desta vez, é a cavalo que um grupo de oito homens saíram de Reserva, na Diocese de Ponta Grossa, no último domingo (30), com destino ao Santuário Nacional de Aparecida.  A comitiva, que é assessorada por mais três pessoas – dois motoristas e um cozinheiro – está entre Piraí do Sul e Tibagi.  Ainda que não seja uma romaria promovida pela Paróquia Menino Jesus, o pároco, padre Fábio Sejanoski,  forneceu cartas de recomendação e de Instrução - para instruí-los espiritualmente no caminho – e fez o envio  dos romeiros. A chegada está prevista para dia 27.

      O grupo é formado produtores rurais, todos amigos e devotos de Nossa Senhora Aparecida. Os cavaleiros são Miguel Pedro Taborda Messias Filho, Marcelo Cionek Pedroso, Ezequiel Domareski, Ronaldo Wantroba, Fernando Didek, Sebastião Ferreira Possidonio, Marlei Ferreira Possidonio e Valdinei Sebastião Martins. Mário Cezar Custodio e Eloi Rafael Sauter dirigem os dois caminhões, um com comidas e camas, e outro com ração, feno, alfafa, aveia e milho para os animais. O cozinheiro é Nilceu Sebastião Lanhoso. O percurso total é de 1.020 quilômetros, dos quais são feitos, em média, 50 quilômetros por dia, com intervalos de descanso.

      Cada um dos cavaleiros viaja com dois animais - mulas e burros - e mais um sobressalente, caso seja necessário. “Todos os animais com exames e vacinas em dia, respeitando a regulamentação vigente. O grupo estava há mais de um ano pensando a viagem, porque uma viagem destas requer uma logística complexa”, conta Miguel Pedro Taborda Messias Filho, um dos organizadores, citando que os recursos para a viagem foram levantados guardados mês a mês por eles, por doações da comunidade e a venda de rifas.


Diocede Ponta Grossa
Os burros e mulas são alternados durante o trajeto para não exigir dos animais   |   Miguel Taborda

Diocede Ponta Grossa
Os romeiros são acompanhados dois caminhões, com camas e alimentação para os animais   |   Miguel Taborda

Diocede Ponta Grossa
Os cavaleiros saíram de Reserva no último domingo   |   Miguel Taborda


Navegue até a sua Paróquia