DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 28/12/2019

Grupo visita paróquia de Canutama

Igreja será administrada pela Diocese de Ponta Grossa

 
O cruzeiro da Capela São Frei Galvão é o mais alto da prelazia O cruzeiro da Capela São Frei Galvão é o mais alto da prelazia | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

      Canutama é um pequeno município do Amazonas, de 29.819,7 quilômetros quadrados e 12.738 habitantes. Fica a quatro horas de barco de Lábrea, a sede da prelazia. Lá, existe uma única paróquia, a São João Batista, que, a partir de março do ano que vem, será administrada pela Diocese de Ponta Grossa. Para conhecer um pouco mais de perto a realidade local, padre José Nilson Santos e os missionários Gilson Camilo da Silva e Bernadete Silva, Flávia Carla Nascimento, Iuri Nack Buss e André Emanuel França visitaram a paróquia.   

       No dia 25, padre Nilson e o diácono Gilson concelebraram a missa de Natal com o atual pároco,  padre Severino Albino da Silva, que é de Campina Grande (PB) e está há quatro anos em Canutama. Na quinta-feira, o grupo conheceu as cinco capelas e mais matriz da paróquia. Na Comunidade São Francisco fica a Capela São Francisco, erguida há 12 anos, que conta com centro comunitário, sala de reunião e coreto. “O povo daqui é muito organizado e consciente. É de onde vem o maior valor de dízimo da paróquia”, elogiava padre Severino.

      Os missionários passaram pelas capelas Sâo Pedro, Santa Rita, Nossa Senhora Aparecida e São Frei Galvão, a caçula da paróquia. Na comunidade está o cruzeiro mais alto da prelazia, com 3 metros e 30 centímetros de altura, que foi trazido com a ajuda dos fiéis da matriz até igreja, em dezembro. “Ele é feito de piranheira, a madeira mais resistente da região, e pesa uma tonelada. Precisou ser suspenso por um guincho”,  dizia o pároco. No interior, são 22 Rio Purus, além de vários afluentes, cujo atendimento também é feito por intermédio das ‘desobrigas’ uma vez por ano. O barco da missão, o  Katauxi II, teve sua reforma iniciada ano passado e está terminando agora. Segundo padre Severino, foram gastos R$ 110 mil da paróquia e o motor foi comprado com recursos da Igreja da Alemanha.  

      O trabalho missionário na paróquia tem o auxílio da Comunidade Missão Resgate, de Crato (CE), por intermédio de Wladia Regina Roque Alves, Edna Sales Santos, Ana Karina Oliveira Mariano e Alani Ferreira Neves. Há também ajuda da Diocese de Vitória (ES) e de Ponta Grossa, via Projeto Igreja-Irmã.   

      Há dois anos padre Severino soube que teria que voltar para a sua diocese de origem, "por uma questão de necessidade. Mas, foi uma experiência marcante, de enriquecimento na questão cultural, religiosa, experiência de Igreja. Um ritmo totalmente diferente, com novos desafios, distâncias enormes, isolamento, dificuldade de acesso, recurso, mão-de-obra. Tudo vem de Manaus de barco e a um custo muito alto. Mas, há um trabalho pastoral forte, com o Terço dos Homens, Infância e Adolescência Missionária, Encontro de Casais com Cristo... é uma Igreja viva e atuante, com muitos agentes de pastoral”, enumerou o pároco, citando ainda o desafio das comunidades ribeirinhas. “Se temos recursos, atendemos, mas custa muito cada desobriga. Necessitamos muito da ajuda de outras igrejas, como, graças a Deus, a de Ponta Grossa. Agradeço muito a ajuda de todos vocês", reconheceu.

      A Diocese de Ponta Grossa deve assumir a administração da Paróquia São João Batista em março do ano que vem. Para Canutama será transferido o padre José Nilson Santos, hoje coordenador do Setor 1 da Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, de Lábrea, e enviado outro sacerdote de Ponta Grossa. A posse do novo pároco ainda terá a data definida pelo bispo da prelazia, dom Santiago Sánchez Sebastian.       

 Cidade

      Canutama foi fundada há puco mais de 140 anos. A paróquia existe há 120. A cidade tem aeroporto (no momento interditado), estádio de futebol e usina termoelétrica. O sistema de esgoto ainda se utiliza de fossas, há rede de água encanada, mas não tratada,  e o lixo é depositado a céu aberto.. A Cadeia Pública tem capacidade para nove presos mas está atualmente com 37 detentos.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Diocese oferece formação sobre canto litúrgico   |   Padre Osvaldo chega nesta sexta a Lábrea   |   Padre Marcelo é o novo reitor do Propedêutico   |   Missão em Lábrea merecerá especial na ‘Evangelizar’   |  





Publicado em: 28/12/2019

Grupo visita paróquia de Canutama

Igreja será administrada pela Diocese de Ponta Grossa

 

      Canutama é um pequeno município do Amazonas, de 29.819,7 quilômetros quadrados e 12.738 habitantes. Fica a quatro horas de barco de Lábrea, a sede da prelazia. Lá, existe uma única paróquia, a São João Batista, que, a partir de março do ano que vem, será administrada pela Diocese de Ponta Grossa. Para conhecer um pouco mais de perto a realidade local, padre José Nilson Santos e os missionários Gilson Camilo da Silva e Bernadete Silva, Flávia Carla Nascimento, Iuri Nack Buss e André Emanuel França visitaram a paróquia.   

       No dia 25, padre Nilson e o diácono Gilson concelebraram a missa de Natal com o atual pároco,  padre Severino Albino da Silva, que é de Campina Grande (PB) e está há quatro anos em Canutama. Na quinta-feira, o grupo conheceu as cinco capelas e mais matriz da paróquia. Na Comunidade São Francisco fica a Capela São Francisco, erguida há 12 anos, que conta com centro comunitário, sala de reunião e coreto. “O povo daqui é muito organizado e consciente. É de onde vem o maior valor de dízimo da paróquia”, elogiava padre Severino.

      Os missionários passaram pelas capelas Sâo Pedro, Santa Rita, Nossa Senhora Aparecida e São Frei Galvão, a caçula da paróquia. Na comunidade está o cruzeiro mais alto da prelazia, com 3 metros e 30 centímetros de altura, que foi trazido com a ajuda dos fiéis da matriz até igreja, em dezembro. “Ele é feito de piranheira, a madeira mais resistente da região, e pesa uma tonelada. Precisou ser suspenso por um guincho”,  dizia o pároco. No interior, são 22 Rio Purus, além de vários afluentes, cujo atendimento também é feito por intermédio das ‘desobrigas’ uma vez por ano. O barco da missão, o  Katauxi II, teve sua reforma iniciada ano passado e está terminando agora. Segundo padre Severino, foram gastos R$ 110 mil da paróquia e o motor foi comprado com recursos da Igreja da Alemanha.  

      O trabalho missionário na paróquia tem o auxílio da Comunidade Missão Resgate, de Crato (CE), por intermédio de Wladia Regina Roque Alves, Edna Sales Santos, Ana Karina Oliveira Mariano e Alani Ferreira Neves. Há também ajuda da Diocese de Vitória (ES) e de Ponta Grossa, via Projeto Igreja-Irmã.   

      Há dois anos padre Severino soube que teria que voltar para a sua diocese de origem, "por uma questão de necessidade. Mas, foi uma experiência marcante, de enriquecimento na questão cultural, religiosa, experiência de Igreja. Um ritmo totalmente diferente, com novos desafios, distâncias enormes, isolamento, dificuldade de acesso, recurso, mão-de-obra. Tudo vem de Manaus de barco e a um custo muito alto. Mas, há um trabalho pastoral forte, com o Terço dos Homens, Infância e Adolescência Missionária, Encontro de Casais com Cristo... é uma Igreja viva e atuante, com muitos agentes de pastoral”, enumerou o pároco, citando ainda o desafio das comunidades ribeirinhas. “Se temos recursos, atendemos, mas custa muito cada desobriga. Necessitamos muito da ajuda de outras igrejas, como, graças a Deus, a de Ponta Grossa. Agradeço muito a ajuda de todos vocês", reconheceu.

      A Diocese de Ponta Grossa deve assumir a administração da Paróquia São João Batista em março do ano que vem. Para Canutama será transferido o padre José Nilson Santos, hoje coordenador do Setor 1 da Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, de Lábrea, e enviado outro sacerdote de Ponta Grossa. A posse do novo pároco ainda terá a data definida pelo bispo da prelazia, dom Santiago Sánchez Sebastian.       

 Cidade

      Canutama foi fundada há puco mais de 140 anos. A paróquia existe há 120. A cidade tem aeroporto (no momento interditado), estádio de futebol e usina termoelétrica. O sistema de esgoto ainda se utiliza de fossas, há rede de água encanada, mas não tratada,  e o lixo é depositado a céu aberto.. A Cadeia Pública tem capacidade para nove presos mas está atualmente com 37 detentos.


Diocede Ponta Grossa
O cruzeiro da Capela São Frei Galvão é o mais alto da prelazia   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O seminarista André conversa com os coroinhas da Capela São Frei Galvão   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O padre Severino e as missionárias de Crato acolheram os ponta-grossenses   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O Katauxi II ainda está recebendo os últimos retoques   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O barco teve o espaço interno readequado   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Os missionários conheceram o barco da missão   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A paróquia foi fundada há 120 anos. Aqui, a matriz   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O diácono Gilson concelebrou a missa de Natal   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa