DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 09/03/2020

Três novos diáconos permanentes são ordenados

As celebrações se iniciaram por Ponta Grossa

 
O bispo dom Sergio presidirá todas as celebrações ao longo deste ano O bispo dom Sergio presidirá todas as celebrações ao longo deste ano | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

      Agora inicia a missão. Esse é o próximo e mais importante passo dos três novos diáconos permanentes ordenados no sábado (7), na Catedral Sant’Ana. Almir Baptista, da Paróquia Espirito Santo; Dyego Emanuel Giebeluka Quadros, da Paróquia/Catedral Sant’Anal, e Rogério César Mendes, da Paróquia São Judas Tadeu, foram admitidos às Ordens Sacras em uma celebração presidida pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi, que ordenará também demais 44 homens em outras 16 cerimônias. A próxima acontecerá em Castro, na Paróquia Sant’Ana, no dia 14, às 18 horas.

      Para o coordenador da Escola Diaconal Santo Estevão, padre Mário Dwulatka, também responsável pela assessoria ao diaconato na Diocese de Ponta Grossa, o acompanhamento é continuo. “Estamos fechando, com as ordenações, uma etapa muito importante, que é a preparação. Foram preparados, a Igreja se esmerou através de seus formadores, do acompanhamento do bispo, para prepará-los conforme a Igreja orienta, para a missão que é tão necessária de acolher, de cuidar, de estar próximo. O número de sacerdotes não é suficiente para este tipo de evangelização. Com esse número expressivo de diáconos permanentes é possível ter essa presença mais próxima das pessoas”, explicava o coordenador.

      Segundo padre Mário, a demanda atualmente é outra. “Antigamente, as pessoas se contentavam com a presença do padre uma vez por ano. Hoje, não. A presença do ministro ordenado precisa ser continuada, permanente nos momentos de alegria e, especialmente nos momentos de dor, de questionamento, de dúvidas. E as pessoas precisam de ministros preparados para dar suporte, para ajudar, para implementar a ‘Igreja em Saída’, coordenando a preparação de pessoas para o trabalho dessa Igreja. Só assim, essa proposta do Papa (Francisco) é possível de ser realizada. É uma exigência nova para a evangelização. Agora, é início da missão de fato”, resumiu o padre.

      Dom Sergio lembrou os novos diáconos permanentes servirão, em primeiro lugar, em suas paróquias de origem, mas, à toda a diocese, com a abertura missionária além-fronteiras. “A vocação diaconal é uma vocação importante, que nasceu no início da Igreja, com os apóstolos, que escolheram os sete primeiros diáconos. O Espírito Santo inspirou que houvesse na Igreja também esse grau, esse ministério, esse serviço, e, hoje em dia, temos a possibilidade de ordenação de homens casados como diáconos. Temos um grande número já na diocese e, este ano, teremos 47 novos. Agradeço muito a Deus e a todos que ajudaram nessa preparação. E vamos contar com eles na missão”, afirmava o bispo.

      Rogério Mendes se dizia muito alegre por ter conseguido conquistar este momento. “Depois de seis anos de formação, me sinto muito feliz. É um sonho concretizado”, ressaltava. Almir Baptista era só gratidão. “Que Deus transforme essa bênção que recebemos aqui em graças para a comunidade. É uma missão que estamos assumindo. Não apenas o glamour, os paramentos... claro que é tudo muito bonito, que temos que celebrar, mas primeiramente, temos de trabalhar, por a mão na massa, ajudar os que precisam, ir até as pessoas que estão afastadas, as que mais necessitam. Que a gente possa ser esse Cristo servidor”, emocionava-se.

      O mais jovem dos candidatos e primeiro diácono da Paróquia/Catedral Sant’Ana, Dyego Quadros, garantia ser importante pensar no serviço à comunidade. “Muitas vezes, por se tratar de um sacramento da Ordem, alguns podem até se colocar acima dos leigos e não é essa função. A verdade é que é um ministério e ministério sempre é para o serviço. A nossa função só existe em favor dos leigos e de toda a Igreja. Servir, lavar os pés um dos outros: esse é o grande símbolo do diaconato, o Lava-pés de Jesus. Isso que a Igreja nos pede”, sintetizava.

      As outras 16 celebrações de ordenação, todas presididas pelo bispo dom Sergio, se estenderão até outubro. No próximo sábado (14), a celebração em Castro vai ordenar diáconos Antônio Geraldo Kluczkowski e Ricardo Aparecido dos Santos, ambos da Paróquia Sant’Ana, de Castro. Os novos diáconos vêm de 21 paróquias, de dez cidades diferentes da diocese.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Pastoral do Idoso motiva agentes   |   Setor Juventude realiza formação on-line   |   Feira angaria fundos para o João XXIII   |   São João ganha ‘live arraiá’   |  





Publicado em: 09/03/2020

Três novos diáconos permanentes são ordenados

As celebrações se iniciaram por Ponta Grossa

 

      Agora inicia a missão. Esse é o próximo e mais importante passo dos três novos diáconos permanentes ordenados no sábado (7), na Catedral Sant’Ana. Almir Baptista, da Paróquia Espirito Santo; Dyego Emanuel Giebeluka Quadros, da Paróquia/Catedral Sant’Anal, e Rogério César Mendes, da Paróquia São Judas Tadeu, foram admitidos às Ordens Sacras em uma celebração presidida pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi, que ordenará também demais 44 homens em outras 16 cerimônias. A próxima acontecerá em Castro, na Paróquia Sant’Ana, no dia 14, às 18 horas.

      Para o coordenador da Escola Diaconal Santo Estevão, padre Mário Dwulatka, também responsável pela assessoria ao diaconato na Diocese de Ponta Grossa, o acompanhamento é continuo. “Estamos fechando, com as ordenações, uma etapa muito importante, que é a preparação. Foram preparados, a Igreja se esmerou através de seus formadores, do acompanhamento do bispo, para prepará-los conforme a Igreja orienta, para a missão que é tão necessária de acolher, de cuidar, de estar próximo. O número de sacerdotes não é suficiente para este tipo de evangelização. Com esse número expressivo de diáconos permanentes é possível ter essa presença mais próxima das pessoas”, explicava o coordenador.

      Segundo padre Mário, a demanda atualmente é outra. “Antigamente, as pessoas se contentavam com a presença do padre uma vez por ano. Hoje, não. A presença do ministro ordenado precisa ser continuada, permanente nos momentos de alegria e, especialmente nos momentos de dor, de questionamento, de dúvidas. E as pessoas precisam de ministros preparados para dar suporte, para ajudar, para implementar a ‘Igreja em Saída’, coordenando a preparação de pessoas para o trabalho dessa Igreja. Só assim, essa proposta do Papa (Francisco) é possível de ser realizada. É uma exigência nova para a evangelização. Agora, é início da missão de fato”, resumiu o padre.

      Dom Sergio lembrou os novos diáconos permanentes servirão, em primeiro lugar, em suas paróquias de origem, mas, à toda a diocese, com a abertura missionária além-fronteiras. “A vocação diaconal é uma vocação importante, que nasceu no início da Igreja, com os apóstolos, que escolheram os sete primeiros diáconos. O Espírito Santo inspirou que houvesse na Igreja também esse grau, esse ministério, esse serviço, e, hoje em dia, temos a possibilidade de ordenação de homens casados como diáconos. Temos um grande número já na diocese e, este ano, teremos 47 novos. Agradeço muito a Deus e a todos que ajudaram nessa preparação. E vamos contar com eles na missão”, afirmava o bispo.

      Rogério Mendes se dizia muito alegre por ter conseguido conquistar este momento. “Depois de seis anos de formação, me sinto muito feliz. É um sonho concretizado”, ressaltava. Almir Baptista era só gratidão. “Que Deus transforme essa bênção que recebemos aqui em graças para a comunidade. É uma missão que estamos assumindo. Não apenas o glamour, os paramentos... claro que é tudo muito bonito, que temos que celebrar, mas primeiramente, temos de trabalhar, por a mão na massa, ajudar os que precisam, ir até as pessoas que estão afastadas, as que mais necessitam. Que a gente possa ser esse Cristo servidor”, emocionava-se.

      O mais jovem dos candidatos e primeiro diácono da Paróquia/Catedral Sant’Ana, Dyego Quadros, garantia ser importante pensar no serviço à comunidade. “Muitas vezes, por se tratar de um sacramento da Ordem, alguns podem até se colocar acima dos leigos e não é essa função. A verdade é que é um ministério e ministério sempre é para o serviço. A nossa função só existe em favor dos leigos e de toda a Igreja. Servir, lavar os pés um dos outros: esse é o grande símbolo do diaconato, o Lava-pés de Jesus. Isso que a Igreja nos pede”, sintetizava.

      As outras 16 celebrações de ordenação, todas presididas pelo bispo dom Sergio, se estenderão até outubro. No próximo sábado (14), a celebração em Castro vai ordenar diáconos Antônio Geraldo Kluczkowski e Ricardo Aparecido dos Santos, ambos da Paróquia Sant’Ana, de Castro. Os novos diáconos vêm de 21 paróquias, de dez cidades diferentes da diocese.


Diocede Ponta Grossa
O bispo dom Sergio presidirá todas as celebrações ao longo deste ano   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O bispo dom Sergio presidirá todas as celebrações ao longo deste ano   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A primeira celebração de ordenação diaconal deste ano aconteceu na Catedral Sant’Ana   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A primeira celebração de ordenação diaconal deste ano aconteceu na Catedral Sant’Ana   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A celebração ordenou três novos diáconos permanentes: Dyego, Rodrigo e Almir, todos de paróquias de Ponta Grossa   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
As outras 16 ordenações se estenderão de março a outubro de 2020   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Padre Mário: “agora é início de missão de fato”   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia