DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 11/02/2021

Formação detalha Campanha da Fraternidade

Ecumênica, assessores expõem objetivos e propõem ações

 
Padre Joel Nalepa e pastor Diego durante a segunda noite de formação Padre Joel Nalepa e pastor Diego durante a segunda noite de formação | Crédito: Luana Caroline Nascimento/ Antônio Portela

     Em média a cada cinco anos, a Campanha da Fraternidade é ecumênica. A iniciativa congrega diversas denominações cristãs, valorizando o que cada Igreja tem de bom. Este ano, a Campanha da Fraternidade Ecumênica terá como tema ‘Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor’ e, o lema, ‘Cristo é a nossa Paz: do que era dividido, fez-se uma unidade’ (Ef 2,14a). Para orientar as lideranças católicas e evangélicas quanto à campanha, acontece até esta quinta-feira (11) uma formação via Google Meet e YouTube da Catedral Sant’Ana.

   O novo formato se deve às restrições provocadas pela pandemia do Covid 19, mas em nada prejudicou o aproveitamento da formação. As falas se estenderam, nos três dias, das 19h30 às 22 horas, com a abertura feita na terça-feira pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi (que participou de casa), pastor Diego Biehl, da Igreja Luterana Bom Pastor, e Antônio Portela, coordenador diocesano da Campanha da Fraternidade. Nesta primeira noite, entre 125 e 130 pessoas acompanharam as exposições, pelos dois canais, participando, inclusive, com comentários e perguntas. Dom Sergio seguiu a formação até o final.

     Wagnilda Minasi e Ricardo Gomes, do Setor de Ecumenismo da Diocese de Ponta Grossa, fizeram uma importante apresentação da trajetória das Campanhas da Fraternidade Ecumênicas, com falas centradas e que levaram à reflexão. A assessoria ficou por conta do assistente social e integrante da comissão diocesana da Campanha da Fraternidade, Adrianis Galdino Júnior, que falou sobre o convite deste ano de refletir, aprofundar e promover o diálogo como caminho para a paz. “O objetivo geral é convidar as comunidades de fé e pessoas de boa vontade a pensarem caminhos para superar as valorizações e violência, testemunhando unidade na diversidade”, enfatizou.

      Na quarta-feira, a coordenadora diocesana da Campanha da Fraternidade Ecumênica, Íria Portela, apresentou o cartaz da campanha. Os assessores foram padre Joel Nalepa, coordenador diocesano da Ação Evangelizadora, e o pastor luterano Dyego Biehl. As falas demonstraram plena unidade e sintonia entre os dois, comentaram alguns internautas. ” Que maravilha esta formação! Momento de crescimento e experiência, de diálogo, escuta e reflexão. Parabéns ao padre e pastor”, dizia Agostinho Vanderlei Basso. E foram muitos os questionamentos e sugestões, como o de Dyego Emanuel: gostaria que falassem de Pai Nosso ecumênico e dessem exemplo de outras orações ou liturgias e ações ecumênicas que poderíamos fazer ao longo da Campanha da Fraternidade.

     Nesta quinta-feira, a professora universitária Maria Iolanda de Oliveira e um representante da Igreja Luterana vão apresentar as pistas de ação. “Vou trabalhar o agir atentando para o texto base e algumas falas dos que nele trabalharam, considerando que são apontamentos do como se pode agir e não do que fazer, pois, isto cada um na sua realidade poderá identificar as demandas e buscar alternativas para atendê-las. Sem, contudo, deixar de explicitar de que o cristão não está descolado da realidade social”, adianta a professora. Em seguida, o presidente da Cáritas Diocesana, Gilson Camilo da Silva, vai falar sobre a Coleta de Solidariedade, que acontece no Domingo de Ramos.

     A formação está sendo transmitida da Sala Multiuso, no prédio da Cúria Diocesana.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Promoção do Reino é zelar pela dignidade humana   |   A beleza do Natal no presépio dos Arautos   |   Paróquia reabre Matriz nesta semana   |   As igrejas dentro da Igreja Católica   |  





Publicado em: 11/02/2021

Formação detalha Campanha da Fraternidade

Ecumênica, assessores expõem objetivos e propõem ações

 

     Em média a cada cinco anos, a Campanha da Fraternidade é ecumênica. A iniciativa congrega diversas denominações cristãs, valorizando o que cada Igreja tem de bom. Este ano, a Campanha da Fraternidade Ecumênica terá como tema ‘Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor’ e, o lema, ‘Cristo é a nossa Paz: do que era dividido, fez-se uma unidade’ (Ef 2,14a). Para orientar as lideranças católicas e evangélicas quanto à campanha, acontece até esta quinta-feira (11) uma formação via Google Meet e YouTube da Catedral Sant’Ana.

   O novo formato se deve às restrições provocadas pela pandemia do Covid 19, mas em nada prejudicou o aproveitamento da formação. As falas se estenderam, nos três dias, das 19h30 às 22 horas, com a abertura feita na terça-feira pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi (que participou de casa), pastor Diego Biehl, da Igreja Luterana Bom Pastor, e Antônio Portela, coordenador diocesano da Campanha da Fraternidade. Nesta primeira noite, entre 125 e 130 pessoas acompanharam as exposições, pelos dois canais, participando, inclusive, com comentários e perguntas. Dom Sergio seguiu a formação até o final.

     Wagnilda Minasi e Ricardo Gomes, do Setor de Ecumenismo da Diocese de Ponta Grossa, fizeram uma importante apresentação da trajetória das Campanhas da Fraternidade Ecumênicas, com falas centradas e que levaram à reflexão. A assessoria ficou por conta do assistente social e integrante da comissão diocesana da Campanha da Fraternidade, Adrianis Galdino Júnior, que falou sobre o convite deste ano de refletir, aprofundar e promover o diálogo como caminho para a paz. “O objetivo geral é convidar as comunidades de fé e pessoas de boa vontade a pensarem caminhos para superar as valorizações e violência, testemunhando unidade na diversidade”, enfatizou.

      Na quarta-feira, a coordenadora diocesana da Campanha da Fraternidade Ecumênica, Íria Portela, apresentou o cartaz da campanha. Os assessores foram padre Joel Nalepa, coordenador diocesano da Ação Evangelizadora, e o pastor luterano Dyego Biehl. As falas demonstraram plena unidade e sintonia entre os dois, comentaram alguns internautas. ” Que maravilha esta formação! Momento de crescimento e experiência, de diálogo, escuta e reflexão. Parabéns ao padre e pastor”, dizia Agostinho Vanderlei Basso. E foram muitos os questionamentos e sugestões, como o de Dyego Emanuel: gostaria que falassem de Pai Nosso ecumênico e dessem exemplo de outras orações ou liturgias e ações ecumênicas que poderíamos fazer ao longo da Campanha da Fraternidade.

     Nesta quinta-feira, a professora universitária Maria Iolanda de Oliveira e um representante da Igreja Luterana vão apresentar as pistas de ação. “Vou trabalhar o agir atentando para o texto base e algumas falas dos que nele trabalharam, considerando que são apontamentos do como se pode agir e não do que fazer, pois, isto cada um na sua realidade poderá identificar as demandas e buscar alternativas para atendê-las. Sem, contudo, deixar de explicitar de que o cristão não está descolado da realidade social”, adianta a professora. Em seguida, o presidente da Cáritas Diocesana, Gilson Camilo da Silva, vai falar sobre a Coleta de Solidariedade, que acontece no Domingo de Ramos.

     A formação está sendo transmitida da Sala Multiuso, no prédio da Cúria Diocesana.


Diocede Ponta Grossa
Padre Joel Nalepa e pastor Diego durante a segunda noite de formação   |   Luana Caroline Nascimento/ Antônio Portela

Diocede Ponta Grossa
Dom Sergio participou de casa, dando as boas-vindas aos participantes da formação   |   Luana Caroline Nascimento/ Antônio Portela

Diocede Ponta Grossa
Ainda durante a abertura, Antônio Portela e pastor Diego   |   Luana Caroline Nascimento/ Antônio Portela

Diocede Ponta Grossa
O assistente social Adrianis falou dos objetivos da campanha   |   Luana Caroline Nascimento/ Antônio Portela

Diocede Ponta Grossa
Ricardo e Wagnilda, responsáveis pelo diálogo com as demais Igrejas Cristãs   |   Luana Caroline Nascimento/ Antônio Portela


Navegue até a sua Paróquia