DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 08/07/2021

Uma escola que forma diáconos

Serviço atende todas as paróquias da Diocese

 
| Crédito:

     A Escola Diocesana Santo Estevão de Formação de Diáconos Permanentes existe há 22 anos na Diocese de Ponta Grossa e já formou 120 diáconos. Na turma 2015-2019, eram 54 candidatos de 11 cidades e 21 paróquias. A formação é dividida em dez etapas e dura cinco anos.  São mais de 1.200 horas de estudos. Até junho deste ano, a Diocese de Ponta Grossa contava com cerca de 114 diáconos. Desses, apenas oito foram formados em Santa Catarina. Os demais foram ordenados na Escola Santo Estevão. As aulas acontecem no Centro Bíblico Regnum Dei, no Jardim América, em Ponta Grossa, e são ministradas por padres e diáconos. 

     O diácono faz parte do Clero; recebe o Sacramento da Ordem, em primeiro grau. No segundo grau, estão os padres/presbíteros, e, em terceiro, o bispo. As funções, no entanto, são distintas. O diácono está mais voltado ao ministério da caridade, aos cuidados da Igreja Samaritana, aos mais carentes mais necessitados, ainda que tenha funções na Liturgia. Não lhe é permitido o Sacramento da Penitência ou Reconciliação, Unção dos Enfermos e a presidência da celebração eucarística. Ele celebra a Palavra, mas não a Eucaristia. 

     Em março, foram retomadas as ordenações dos 48 novos diáconos formados em 2019. As celebrações acontecem aos poucos, à medida que as restrições impostas pela pandemia do Covid 19 permitem. Em 2020, ocorreram duas celebrações, uma em Ponta Grossa e outra em Castro, quando foram ordenados cinco diáconos. A coordenação da Escola Diaconal Santo Estevão pretendia, inicialmente, realizar todas as celebrações de ordenação de março a outubro de 2020. O advento da pandemia, no entanto, obrigou a suspensão do calendário. Serão, ao todo, 17 celebrações, em dez cidades, reunindo representantes de 19 paróquias.

     No ano passado, em agosto, festejou-se 20 anos da formatura dos primeiros diáconos permanentes da Diocese de Ponta Grossa. Foram ordenados, na época, por Dom João Bráz de Aviz, Isoil Correia, Josoel da Cruz Borges, da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe; João Brecalto Pacheco, da Paróquia Santa Rita; Flávio Antônio Pauluk e Alfredo Assad Neto, da Paróquia São José. Todos de Ponta Grossa. Ainda, em setembro, foram ordenados Eduardo Sedorski e Pedro Basílio, da Paróquia Perpétuo Socorro, e, Natalino Mascarello, da Paróquia São Miguel, em Irati. Essa primeira turma cursou a Escola Diaconal São Francisco de Assis, em Florianópolis, de julho de 1996 até o ano 2000. Os candidatos viajavam a Santa Catarina duas vezes por ano para a formação.



  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Doações a seminários já são entregues   |   Bispo celebra os 60 anos do Marista   |   A padroeira que caminha com a Diocese   |   Paróquia celebra centenário da Legião de Maria   |  





Publicado em: 08/07/2021

Uma escola que forma diáconos

Serviço atende todas as paróquias da Diocese

 

     A Escola Diocesana Santo Estevão de Formação de Diáconos Permanentes existe há 22 anos na Diocese de Ponta Grossa e já formou 120 diáconos. Na turma 2015-2019, eram 54 candidatos de 11 cidades e 21 paróquias. A formação é dividida em dez etapas e dura cinco anos.  São mais de 1.200 horas de estudos. Até junho deste ano, a Diocese de Ponta Grossa contava com cerca de 114 diáconos. Desses, apenas oito foram formados em Santa Catarina. Os demais foram ordenados na Escola Santo Estevão. As aulas acontecem no Centro Bíblico Regnum Dei, no Jardim América, em Ponta Grossa, e são ministradas por padres e diáconos. 

     O diácono faz parte do Clero; recebe o Sacramento da Ordem, em primeiro grau. No segundo grau, estão os padres/presbíteros, e, em terceiro, o bispo. As funções, no entanto, são distintas. O diácono está mais voltado ao ministério da caridade, aos cuidados da Igreja Samaritana, aos mais carentes mais necessitados, ainda que tenha funções na Liturgia. Não lhe é permitido o Sacramento da Penitência ou Reconciliação, Unção dos Enfermos e a presidência da celebração eucarística. Ele celebra a Palavra, mas não a Eucaristia. 

     Em março, foram retomadas as ordenações dos 48 novos diáconos formados em 2019. As celebrações acontecem aos poucos, à medida que as restrições impostas pela pandemia do Covid 19 permitem. Em 2020, ocorreram duas celebrações, uma em Ponta Grossa e outra em Castro, quando foram ordenados cinco diáconos. A coordenação da Escola Diaconal Santo Estevão pretendia, inicialmente, realizar todas as celebrações de ordenação de março a outubro de 2020. O advento da pandemia, no entanto, obrigou a suspensão do calendário. Serão, ao todo, 17 celebrações, em dez cidades, reunindo representantes de 19 paróquias.

     No ano passado, em agosto, festejou-se 20 anos da formatura dos primeiros diáconos permanentes da Diocese de Ponta Grossa. Foram ordenados, na época, por Dom João Bráz de Aviz, Isoil Correia, Josoel da Cruz Borges, da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe; João Brecalto Pacheco, da Paróquia Santa Rita; Flávio Antônio Pauluk e Alfredo Assad Neto, da Paróquia São José. Todos de Ponta Grossa. Ainda, em setembro, foram ordenados Eduardo Sedorski e Pedro Basílio, da Paróquia Perpétuo Socorro, e, Natalino Mascarello, da Paróquia São Miguel, em Irati. Essa primeira turma cursou a Escola Diaconal São Francisco de Assis, em Florianópolis, de julho de 1996 até o ano 2000. Os candidatos viajavam a Santa Catarina duas vezes por ano para a formação.



Diocede Ponta Grossa
  |  

Diocede Ponta Grossa
  |  


Navegue até a sua Paróquia