DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 26/10/2021

Pronto novo presbitério de Santuário

No entorno da cruz, passagens bíblicas com Maria

 
“Cada um vai fazer a sua experiência” “Cada um vai fazer a sua experiência” | Crédito: Toninho Anhaia

O projeto iconográfico pensado para o presbitério do Santuário Diocesano de Nossa Senhora das Brotas, em Piraí do Sul, está pronto. Iniciado em meados de setembro, o projeto de autoria do artista sacro Antonio Batista de Souza Júnior, mereceu uma apresentação mistagógica dos ícones pintados na igreja. A celebração explicativa foi conduzida pelo reitor do Santuário, padre Roberval Mulhstedt, que procurou mergulhar no ‘mistério’ de cada imagem, alternando as descrições com leituras bíblicas que correspondiam ao cenário retratado.  


     Padre Roberval lembrava que tudo na igreja tem que ser cristocêntrico e que por isso a cruz foi colocada no centro do Santuário. “Tudo aqui é mistério e, diante do mistério, cada um faz uma experiência diante do sacrário. Se passarem por aqui mil pessoas, cada pessoa irá experimentar uma situação, um contato com o sagrado. Você, meditando sobre os ícones, terá sua experiência com Deus, através de cada painel”, comentava. Segundo o reitor, a proposta central de toda a arte está voltada a dar vistas a Nossa Senhora das Brotas, Maria, mãe de Jesus. Nossa Senhora, que está em destaque no painel principal.


     De acordo com a explicação do artista sacro, a imagem de Nossa Senhora está colocada em um grande círculo, lembrando o sol. Em uma das bordas, no alto, 12 estrelas remetendo ao trecho do Livro do Apocalipse, que fala da luta do bem contra o mal e a aparição de uma mulher, grávida, vestida com o sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de 12 estrelas. O painel traduz em formas e cores a visão apocalíptica de São João. 12 que representa as 12 tribos de Israel, mas também os 12 apóstolos. A lua é o símbolo do feminino e de influência sobre a terra. Tal poder dá à Virgem Maria o poder de intercessão e graça. 


     Na sua parte superior, um segundo círculo em tons de azul, plana sobre a imagem de Maria e o menino. Dentro, está uma pomba branca: é o Espírito Santo. Espírito que Jesus possui em plenitude desde a sua concepção. Junto ao Espírito Santo uma chama de fogo está a planar sobre a Virgem. Lembra a ação do Espírito Santo sobre Maria. “O Espírito Santo descerá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra” (Lucas 1,35) citou padre Roberval, enfatizando que o Espírito Santo deu cumprimento em Maria às expectativas e à preparação do Antigo Testamento para a vinda de Cristo. Ao lado da Nossa Senhora das Brotas está o Arcanjo São Miguel. A Igreja considera os arcanjos poderosos intercessores junto ao Altíssimo e são eles, durante as atribulações do dia-a-dia, nossos conselheiros e auxiliadores em conduzir nossas orações ao Pai e trazer mensagens da Providência Divina.


     Na mão do Arcanjo, um lírio campestre referencia a imaculação de Maria, concebida sem pecado original. O lírio é o símbolo da brancura, da pureza, mas também do abandono à vontade de Deus. Abaixo, como que sustentando a imagem da Virgem, aparece uma grande árvore, referindo-se ao oásis do deserto onde fora guardada a mulher (Apocalipse 12). Na lateral, lado esquerdo da Virgem, pendurado, está um incensório, que traz resinas e ervas aromáticas sobre carvões acesos, purificando o ar. “O incensar destina-se unicamente a Deus e, nesta iconografia, simboliza nossa adoração e oração”, explica Antonio Batista de Souza Júnior. 


     Na nave do santuário, estão distribuídas seis passagens dos evangelhos de Lucas e Mateus, cenas catequéticas, que tem como enredo a Boa Nova de Cristo e a participação de Maria no plano salvífico de Deus para a Humanidade. A primeira, demonstra a experiência mensageira de Deus a Maria, onde um anjo do Senhor a visita. A segunda, retrata a ida da Virgem Maria até sua prima, Santa Isabel. A terceira, é o Natal do Senhor, a Sagrada Família no estábulo. A quarta, mostra a apresentação de Jesus no templo. A quinta, a visita dos magos a Jesus, em Belém e, na sexta passagem, é retratada a partida ao Egito para a proteção do Menino Jesus. 


     “Que esta iconografia semeie no coração dos que a contemplam todo o Mistério. Que o Cristo Jesus, presente em tudo o que visualizamos nesta arte, traga-nos a graça neste lugar de encontro e que nos sintamos mais próximos de Jesus”, rogou o artista na descrição de sua obra. Padre Roberval informou que a pintura interna e a confecção dos ícones terminaram. “Ano que vem, queremos trocar o piso e os bancos, e, pintar o santuário por fora”, adiantou, garantindo que as obras só estão sendo possíveis graças aos devotos que colaboram mensalmente e aos eventos realizados e prestigiados por todos. “Eu só tenho a agradecer\".


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Exposição mostra peças sacras   |   Padres festejam 60 anos de sacerdócio   |   Grupo fabrica peças de presépio   |   Missa celebra 60 anos de sacerdócio de padres   |  





Publicado em: 26/10/2021

Pronto novo presbitério de Santuário

No entorno da cruz, passagens bíblicas com Maria

 

O projeto iconográfico pensado para o presbitério do Santuário Diocesano de Nossa Senhora das Brotas, em Piraí do Sul, está pronto. Iniciado em meados de setembro, o projeto de autoria do artista sacro Antonio Batista de Souza Júnior, mereceu uma apresentação mistagógica dos ícones pintados na igreja. A celebração explicativa foi conduzida pelo reitor do Santuário, padre Roberval Mulhstedt, que procurou mergulhar no ‘mistério’ de cada imagem, alternando as descrições com leituras bíblicas que correspondiam ao cenário retratado.  


     Padre Roberval lembrava que tudo na igreja tem que ser cristocêntrico e que por isso a cruz foi colocada no centro do Santuário. “Tudo aqui é mistério e, diante do mistério, cada um faz uma experiência diante do sacrário. Se passarem por aqui mil pessoas, cada pessoa irá experimentar uma situação, um contato com o sagrado. Você, meditando sobre os ícones, terá sua experiência com Deus, através de cada painel”, comentava. Segundo o reitor, a proposta central de toda a arte está voltada a dar vistas a Nossa Senhora das Brotas, Maria, mãe de Jesus. Nossa Senhora, que está em destaque no painel principal.


     De acordo com a explicação do artista sacro, a imagem de Nossa Senhora está colocada em um grande círculo, lembrando o sol. Em uma das bordas, no alto, 12 estrelas remetendo ao trecho do Livro do Apocalipse, que fala da luta do bem contra o mal e a aparição de uma mulher, grávida, vestida com o sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de 12 estrelas. O painel traduz em formas e cores a visão apocalíptica de São João. 12 que representa as 12 tribos de Israel, mas também os 12 apóstolos. A lua é o símbolo do feminino e de influência sobre a terra. Tal poder dá à Virgem Maria o poder de intercessão e graça. 


     Na sua parte superior, um segundo círculo em tons de azul, plana sobre a imagem de Maria e o menino. Dentro, está uma pomba branca: é o Espírito Santo. Espírito que Jesus possui em plenitude desde a sua concepção. Junto ao Espírito Santo uma chama de fogo está a planar sobre a Virgem. Lembra a ação do Espírito Santo sobre Maria. “O Espírito Santo descerá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra” (Lucas 1,35) citou padre Roberval, enfatizando que o Espírito Santo deu cumprimento em Maria às expectativas e à preparação do Antigo Testamento para a vinda de Cristo. Ao lado da Nossa Senhora das Brotas está o Arcanjo São Miguel. A Igreja considera os arcanjos poderosos intercessores junto ao Altíssimo e são eles, durante as atribulações do dia-a-dia, nossos conselheiros e auxiliadores em conduzir nossas orações ao Pai e trazer mensagens da Providência Divina.


     Na mão do Arcanjo, um lírio campestre referencia a imaculação de Maria, concebida sem pecado original. O lírio é o símbolo da brancura, da pureza, mas também do abandono à vontade de Deus. Abaixo, como que sustentando a imagem da Virgem, aparece uma grande árvore, referindo-se ao oásis do deserto onde fora guardada a mulher (Apocalipse 12). Na lateral, lado esquerdo da Virgem, pendurado, está um incensório, que traz resinas e ervas aromáticas sobre carvões acesos, purificando o ar. “O incensar destina-se unicamente a Deus e, nesta iconografia, simboliza nossa adoração e oração”, explica Antonio Batista de Souza Júnior. 


     Na nave do santuário, estão distribuídas seis passagens dos evangelhos de Lucas e Mateus, cenas catequéticas, que tem como enredo a Boa Nova de Cristo e a participação de Maria no plano salvífico de Deus para a Humanidade. A primeira, demonstra a experiência mensageira de Deus a Maria, onde um anjo do Senhor a visita. A segunda, retrata a ida da Virgem Maria até sua prima, Santa Isabel. A terceira, é o Natal do Senhor, a Sagrada Família no estábulo. A quarta, mostra a apresentação de Jesus no templo. A quinta, a visita dos magos a Jesus, em Belém e, na sexta passagem, é retratada a partida ao Egito para a proteção do Menino Jesus. 


     “Que esta iconografia semeie no coração dos que a contemplam todo o Mistério. Que o Cristo Jesus, presente em tudo o que visualizamos nesta arte, traga-nos a graça neste lugar de encontro e que nos sintamos mais próximos de Jesus”, rogou o artista na descrição de sua obra. Padre Roberval informou que a pintura interna e a confecção dos ícones terminaram. “Ano que vem, queremos trocar o piso e os bancos, e, pintar o santuário por fora”, adiantou, garantindo que as obras só estão sendo possíveis graças aos devotos que colaboram mensalmente e aos eventos realizados e prestigiados por todos. “Eu só tenho a agradecer\".


 


Diocede Ponta Grossa
“Cada um vai fazer a sua experiência”   |   Toninho Anhaia

Diocede Ponta Grossa
“Maria nos ensina a ficar diante da cruz sem nos desesperar ela e a mulher da esperança”   |   Toninho Anhaia

Diocede Ponta Grossa
“A figura iconográfica tem em si a incumbência mística”   |   Toninho Anhaia


Navegue até a sua Paróquia