DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 17/10/2022

Devotos do rosário rezam ‘sob o olhar de Maria’

15 paróquias enviaram representantes ao encontro diocesano

 
Momento foi de oração e divulgação do movimento com Simoni Momento foi de oração e divulgação do movimento com Simoni | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

Não uma corrente de oração, mas uma rede de intercessões. Um movimento que, ao entrar, você e sua família passam a ter várias pessoas pelo mundo servindo como ponte entre suas necessidades e Deus. A definição partiu de Simoni Soares, coordenadora nacional do Rosário Perpétuo, em sua fala na tarde desse domingo (16), aos devotos de Nossa Senhora, durante a quarta edição do encontro diocesano, realizado na Associação Recreativa Homens do Trabalho, em Ponta Grossa. 77 pessoas, vindas de 15 paróquias, participaram. A reflexão teve como tema ‘Sob o olhar de Nossa Senhora’.


     A coordenadora diocesana do movimento, Vilma Tereza Panzarini Schila, atribuiu ao mau tempo – choveu muito no domingo – à pandemia e a corrida eleitoral o número reduzido de participantes.  “As pessoas estão voltando devagarinho, se animando novamente, ouvindo falar de novo porque a pandemia apagou tudo, especialmente quem ficou em casa acabou se isolando. A situação que estamos vivendo atualmente, a política, também acaba isolando muito as pessoas. Em função de tudo isso, achei que foi um bom número”, argumentou, citando que o encontro foi divulgado em todas as paróquias da cidade e da Diocese. A tarde começou com o rosário sendo rezado e os mistérios encenados por cinco crianças, Júlia  Lara dos Santos (Maria), Cecília Fornazzari Serafim (Isabel), Iuri Henrique Schila e os gêmeos Ian Pedro e Imael Paulo Schila, netos da coordenadora. “O tema foi muito bonito. Eles ficaram muito felizes por participar”, comentava Vilma. Os intervalos foram animados pelo Ministério de Música da Paróquia Santa Rita de Cássia. 


     Vilma Schila contou que, em 2011, quando esteve na coordenação diocesana pela primeira vez, mais de cinco mil pessoas integravam o movimento. Atualmente, ainda que existam fichas na coordenação e nos grupos, muitos contatos foram perdidos. “Os telefones fixos praticamente não existem mais. É só celular e, seguidamente, trocam o número. Está difícil, mas quero ver se organizo tudo, a partir do ano que vem, não só o número de participantes, mas também o de filhos espirituais”, adiantou. Para isso, será feito um levantamento nas paróquias, com a ajuda das coordenadoras e de mais pessoas. “Só o bispo (Dom Sergio Arthur Baschi) tinha rezado por mais de 30 crianças, segundo um levantamento que fiz para ele. São trinta e tantos filhos espirituais. Dom Sergio tem uma devoção muito grande, faz uma luta cerrada contra o aborto e divulga sempre que pode o Rosário Perpétuo”, acrescentou. 


     Simoni Soares, que, ao lado do marido José Eduardo, assumiu a coordenação nacional do Movimento do Rosário Perpétuo em maio de 2019, destacou que este ano começou muito intenso. “Essa semana já foram dois encontros. Um no distrito do Guará, em Guarapuava, ontem, no Rio Grande do Sul, semana que vem em Arapongas... Agora começa a fluir, graças a Deus. Parecia que estava a aquietar-se porque todos estavam em casa, mas, a cada dia, nos surpreendia porque os encontros grandes não aconteceram, mas Nossa Senhora foi jogando sementes e foi florescendo. Maria vai acolhendo, cuidando, amparando e vai crescendo”, enfatizou. 


     Outro palestrante da tarde, padre Wagner Oliveira da Silva, integrante do movimento desde 2015, lembrou que desde o início de seu ministério teve a oportunidade de estar próximo do Rosário Perpétuo porque conhece há muito tempo Silmara Aparecida Santos, ex-coordenadora. Dos quatro encontros realizados, celebrou em dois. “É uma alegria muito grande. Nossa Senhora é um carinho muito grande, carinho de mãe. Estar nestes momentos de encontro é experimentar esse colo. Estar sob o olhar dela, viver sob sua proteção, fortalece o meu ministério, é um reavivar da presença de Nossa Senhora”, resumiu. 


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| aa   |   Núncios apostólicos na Diocese   |   Encaminhadas principais ações para 2023   |   Abade completa 25 anos à frente de mosteiro   |  





Publicado em: 17/10/2022

Devotos do rosário rezam ‘sob o olhar de Maria’

15 paróquias enviaram representantes ao encontro diocesano

 

Não uma corrente de oração, mas uma rede de intercessões. Um movimento que, ao entrar, você e sua família passam a ter várias pessoas pelo mundo servindo como ponte entre suas necessidades e Deus. A definição partiu de Simoni Soares, coordenadora nacional do Rosário Perpétuo, em sua fala na tarde desse domingo (16), aos devotos de Nossa Senhora, durante a quarta edição do encontro diocesano, realizado na Associação Recreativa Homens do Trabalho, em Ponta Grossa. 77 pessoas, vindas de 15 paróquias, participaram. A reflexão teve como tema ‘Sob o olhar de Nossa Senhora’.


     A coordenadora diocesana do movimento, Vilma Tereza Panzarini Schila, atribuiu ao mau tempo – choveu muito no domingo – à pandemia e a corrida eleitoral o número reduzido de participantes.  “As pessoas estão voltando devagarinho, se animando novamente, ouvindo falar de novo porque a pandemia apagou tudo, especialmente quem ficou em casa acabou se isolando. A situação que estamos vivendo atualmente, a política, também acaba isolando muito as pessoas. Em função de tudo isso, achei que foi um bom número”, argumentou, citando que o encontro foi divulgado em todas as paróquias da cidade e da Diocese. A tarde começou com o rosário sendo rezado e os mistérios encenados por cinco crianças, Júlia  Lara dos Santos (Maria), Cecília Fornazzari Serafim (Isabel), Iuri Henrique Schila e os gêmeos Ian Pedro e Imael Paulo Schila, netos da coordenadora. “O tema foi muito bonito. Eles ficaram muito felizes por participar”, comentava Vilma. Os intervalos foram animados pelo Ministério de Música da Paróquia Santa Rita de Cássia. 


     Vilma Schila contou que, em 2011, quando esteve na coordenação diocesana pela primeira vez, mais de cinco mil pessoas integravam o movimento. Atualmente, ainda que existam fichas na coordenação e nos grupos, muitos contatos foram perdidos. “Os telefones fixos praticamente não existem mais. É só celular e, seguidamente, trocam o número. Está difícil, mas quero ver se organizo tudo, a partir do ano que vem, não só o número de participantes, mas também o de filhos espirituais”, adiantou. Para isso, será feito um levantamento nas paróquias, com a ajuda das coordenadoras e de mais pessoas. “Só o bispo (Dom Sergio Arthur Baschi) tinha rezado por mais de 30 crianças, segundo um levantamento que fiz para ele. São trinta e tantos filhos espirituais. Dom Sergio tem uma devoção muito grande, faz uma luta cerrada contra o aborto e divulga sempre que pode o Rosário Perpétuo”, acrescentou. 


     Simoni Soares, que, ao lado do marido José Eduardo, assumiu a coordenação nacional do Movimento do Rosário Perpétuo em maio de 2019, destacou que este ano começou muito intenso. “Essa semana já foram dois encontros. Um no distrito do Guará, em Guarapuava, ontem, no Rio Grande do Sul, semana que vem em Arapongas... Agora começa a fluir, graças a Deus. Parecia que estava a aquietar-se porque todos estavam em casa, mas, a cada dia, nos surpreendia porque os encontros grandes não aconteceram, mas Nossa Senhora foi jogando sementes e foi florescendo. Maria vai acolhendo, cuidando, amparando e vai crescendo”, enfatizou. 


     Outro palestrante da tarde, padre Wagner Oliveira da Silva, integrante do movimento desde 2015, lembrou que desde o início de seu ministério teve a oportunidade de estar próximo do Rosário Perpétuo porque conhece há muito tempo Silmara Aparecida Santos, ex-coordenadora. Dos quatro encontros realizados, celebrou em dois. “É uma alegria muito grande. Nossa Senhora é um carinho muito grande, carinho de mãe. Estar nestes momentos de encontro é experimentar esse colo. Estar sob o olhar dela, viver sob sua proteção, fortalece o meu ministério, é um reavivar da presença de Nossa Senhora”, resumiu. 


 


Diocede Ponta Grossa
Momento foi de oração e divulgação do movimento com Simoni   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
15 paróquias estiveram representadas no encontro   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
As crianças encenavam os mistérios rezados   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A animação foi do Ministério de Música da Paróquia Santa Rita   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Vilma Schila coordenou a encenação do terço   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Padre Wagner reza o quarto mistério Glorioso, Assunção de Nossa Senhora   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Padre Evandro Braun, integrante do movimento, acompanhou também o encontro   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia