DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 24/10/2022

Igreja nasceu para homenagear o Papa

Diácono Josoel foi quem escolheu João Paulo II padroeiro

 
Dom Sergio agradeceu o empenho do diácono Dom Sergio agradeceu o empenho do diácono | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

     Reconhecido não só pelo pároco, padre Wagner Oliveira da Silva, como pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi como principal responsável pela concretização da igreja em honra a São João Paulo II, o diácono Josoel Borges Silveira estava feliz. “Me sinto realizado. Porque é um sonho do bispo, do padre Mário (Dwulatka) e meu. Lembro o dia que, conversando com Dom Sergio, ele me perguntou que nome eu pensava colocar na igreja. Eu respondi: João Paulo II - beato ele era ainda, só - porque eu amo o Papa. E ele respondeu: eu também e concordou com o nome”, contou o diácono. 


     Segundo o diácono, ao contrário de igrejas que tiveram o padroeiro trocado para homenagear o Papa-Santo, como em Salvador (BA), em Ponta Grossa, a capela nasceu em louvor a ele. “Nascemos do chão com o nome João Paulo II. Quando começou sempre estava conosco. Era um sonho dele também que aqui fosse erguida uma igreja com seu nome. Graças a Deus hoje a gente está realizado. Padre Wagner está em uma grande alegria de se tornar o primeiro pároco da São João Paulo II. Alegria dele é a minha. Eu trabalho para que outros sejam felizes, esse é meu lema”, justificava. 


      “Mas, o trabalho está só iniciando. A messe é grande. Muitas famílias moram na região e vai ser preciso o esforço de cada um de nós para atender a todos”, adiantou. Integrante da primeira turma de diáconos da Diocese, Josoel completou 61 anos no dia 20, dia em que se comemorou cinco anos da dedicação da igreja. Ele que mora no Núcleo Santa Terezinha há 40 anos, conta que conheceu Jesus na Capela Nossa Senhora das Dores, há 32 anos. “Ele se apresentou, me chamou para trabalhar com Ele e só me disse que valia a pena”, brincou o diácono, há 22 anos no ministério.


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Presépio dos Arautos abre neste sábado   |   aa   |   Núncios apostólicos na Diocese   |   Encaminhadas principais ações para 2023   |  





Publicado em: 24/10/2022

Igreja nasceu para homenagear o Papa

Diácono Josoel foi quem escolheu João Paulo II padroeiro

 

     Reconhecido não só pelo pároco, padre Wagner Oliveira da Silva, como pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi como principal responsável pela concretização da igreja em honra a São João Paulo II, o diácono Josoel Borges Silveira estava feliz. “Me sinto realizado. Porque é um sonho do bispo, do padre Mário (Dwulatka) e meu. Lembro o dia que, conversando com Dom Sergio, ele me perguntou que nome eu pensava colocar na igreja. Eu respondi: João Paulo II - beato ele era ainda, só - porque eu amo o Papa. E ele respondeu: eu também e concordou com o nome”, contou o diácono. 


     Segundo o diácono, ao contrário de igrejas que tiveram o padroeiro trocado para homenagear o Papa-Santo, como em Salvador (BA), em Ponta Grossa, a capela nasceu em louvor a ele. “Nascemos do chão com o nome João Paulo II. Quando começou sempre estava conosco. Era um sonho dele também que aqui fosse erguida uma igreja com seu nome. Graças a Deus hoje a gente está realizado. Padre Wagner está em uma grande alegria de se tornar o primeiro pároco da São João Paulo II. Alegria dele é a minha. Eu trabalho para que outros sejam felizes, esse é meu lema”, justificava. 


      “Mas, o trabalho está só iniciando. A messe é grande. Muitas famílias moram na região e vai ser preciso o esforço de cada um de nós para atender a todos”, adiantou. Integrante da primeira turma de diáconos da Diocese, Josoel completou 61 anos no dia 20, dia em que se comemorou cinco anos da dedicação da igreja. Ele que mora no Núcleo Santa Terezinha há 40 anos, conta que conheceu Jesus na Capela Nossa Senhora das Dores, há 32 anos. “Ele se apresentou, me chamou para trabalhar com Ele e só me disse que valia a pena”, brincou o diácono, há 22 anos no ministério.


 


Diocede Ponta Grossa
Dom Sergio agradeceu o empenho do diácono   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Josoel: “eu amo o Papa!”   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia