DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 05/04/2021

Ostensórios que chamam a atenção

Belas peças estão na Catedral e Igreja dos Polacos

 
| Crédito: Divulgação

     Ostensório é uma peça de ourivesaria usada para expor solenemente a hóstia consagrada sobre o altar ou para a transportar solenemente em procissão. Ele é o objeto litúrgico usado para a bênção do Santíssimo Sacramento e é nele que é colocada a hóstia consagrada para a adoração de Jesus Cristo, verdadeiramente presente na Eucaristia. Duas igrejas na cidade-sede da Diocese de Ponta Grossa guardam dois desses objetos, ricos em beleza e detalhes. No altar da Reitoria do Sagrado Coração de Jesus, há um ostensório em metal, banhado a ouro e prata, que tem um suporte no formato da Taça de Vila Velha. Na Catedral Sant’Ana, o objeto litúrgico é ainda do tempo de Dom Antônio Mazzarotto.

     O ostensório de ferro, folheado a ouro, todo rajado, tem detalhes em prata (FOTO). Tem a figura do cordeiro na parte da frente, anjos em volta do vidro e também no suporte. Era usado nas adorações e círculos bíblicos, ainda na primeira Paróquia/Catedral. Não se sabe exatamente de quando é o objeto ou de onde ele veio. Paroquianos mais antigos contam que o primeiro legionário da Catedral, João Hyczy, foi a Curitiba buscar o ostensório ao lado do padre Roberto Bonk, que era secretário de dom Antônio. O padre era missionário do Verbo Divino, viveu de 1922 a1964 e foi o nono reitor da Reitoria do Sagrado Coração, a Igreja dos Polacos,

     Atualmente, o ostensório é usado toda a sexta-feira nas adorações, mas também integra as peças do Museu da Catedral quando há visitação. O objeto é guardado em separado, em sua caixa original, toda estofada. Poucas pessoas o manuseiam.

     A ‘custódia’ da Igreja dos Polacos foi presente das paróquias da Diocese ao bispo dom Antônio Mazzarotto, por seu jubileu de ouro sacerdotal e pelos 35 anos de bispado. O ostensório foi entregue ao bispo em 23 de novembro de 1964. O presente tinha o objetivo de simbolizar a cidade de Ponta Grossa. A Taça de Vila Velha está logo abaixo da coroa, do sol do ostensório, onde fica propriamente a eucaristia. O suporte é que tem o formato da taça. Abaixo dela, há os mapas do Brasil e do Paraná e a cidade é marcada com uma pérola. Há vários brasões na sua base: da cidade, da República do Brasil, do Paraná, dos papas Bento X e Paulo VI, e do bispo


FONTES

- Davina Hyczy Kiska

- Paróquia Catedral Sant’Ana


  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Papa institui o Ministério de Catequista   |   Festa das Nações será retomada este ano   |   Cáritas arrecada 771 quilos de alimento   |   A Cáritas em tempo de cuidar   |  





Publicado em: 05/04/2021

Ostensórios que chamam a atenção

Belas peças estão na Catedral e Igreja dos Polacos

 

     Ostensório é uma peça de ourivesaria usada para expor solenemente a hóstia consagrada sobre o altar ou para a transportar solenemente em procissão. Ele é o objeto litúrgico usado para a bênção do Santíssimo Sacramento e é nele que é colocada a hóstia consagrada para a adoração de Jesus Cristo, verdadeiramente presente na Eucaristia. Duas igrejas na cidade-sede da Diocese de Ponta Grossa guardam dois desses objetos, ricos em beleza e detalhes. No altar da Reitoria do Sagrado Coração de Jesus, há um ostensório em metal, banhado a ouro e prata, que tem um suporte no formato da Taça de Vila Velha. Na Catedral Sant’Ana, o objeto litúrgico é ainda do tempo de Dom Antônio Mazzarotto.

     O ostensório de ferro, folheado a ouro, todo rajado, tem detalhes em prata (FOTO). Tem a figura do cordeiro na parte da frente, anjos em volta do vidro e também no suporte. Era usado nas adorações e círculos bíblicos, ainda na primeira Paróquia/Catedral. Não se sabe exatamente de quando é o objeto ou de onde ele veio. Paroquianos mais antigos contam que o primeiro legionário da Catedral, João Hyczy, foi a Curitiba buscar o ostensório ao lado do padre Roberto Bonk, que era secretário de dom Antônio. O padre era missionário do Verbo Divino, viveu de 1922 a1964 e foi o nono reitor da Reitoria do Sagrado Coração, a Igreja dos Polacos,

     Atualmente, o ostensório é usado toda a sexta-feira nas adorações, mas também integra as peças do Museu da Catedral quando há visitação. O objeto é guardado em separado, em sua caixa original, toda estofada. Poucas pessoas o manuseiam.

     A ‘custódia’ da Igreja dos Polacos foi presente das paróquias da Diocese ao bispo dom Antônio Mazzarotto, por seu jubileu de ouro sacerdotal e pelos 35 anos de bispado. O ostensório foi entregue ao bispo em 23 de novembro de 1964. O presente tinha o objetivo de simbolizar a cidade de Ponta Grossa. A Taça de Vila Velha está logo abaixo da coroa, do sol do ostensório, onde fica propriamente a eucaristia. O suporte é que tem o formato da taça. Abaixo dela, há os mapas do Brasil e do Paraná e a cidade é marcada com uma pérola. Há vários brasões na sua base: da cidade, da República do Brasil, do Paraná, dos papas Bento X e Paulo VI, e do bispo


FONTES

- Davina Hyczy Kiska

- Paróquia Catedral Sant’Ana


Diocede Ponta Grossa
  |   Divulgação


Navegue até a sua Paróquia