DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 29/10/2021

Projeto da Caritas emprega migrante

Venezuelana Obdulis Lopez foi contratada em uma cafeteria

 
Obdulis fez treinamento e atua como barista Obdulis fez treinamento e atua como barista | Crédito: Café Inverno D’Italia PG

   Começa a dar frutos o Projeto Caminhos de Oportunidades, realizado desde 15 de maio pela Caritas Paraná e Caritas Diocesana para promover a integração entre migrantes e empresários. Mais que isso: capacitar os migrantes para que tenham acesso ao mercado de trabalho, garantindo um recomeço digno no país que escolheram para viver. A venezuelana Obdulis Del Valle Lopez Lopez, que está há dois anos e dois meses no Brasil, foi contratada por uma cafeteria recém-inaugurada no centro de Ponta Grossa. “Meu sentimento é de muita alegria”, resumia Obdulis.


     A venezuelana de 28 anos, casada e que tem o marido trabalhando por dia, conta que estava precisando muito ter uma renda fixa. “Já havia falhado em uma oportunidade e me indicaram que seria bom participar do projeto. Graças a Deus, deu certo”, destaca, garantindo que está gostando muito. “Eu estou como atendente do público e barista. Tinha experiência, mas na área de vendas e como auxiliar de cozinha. Na parte de cafés, não tinha conhecimento”, detalha. Obdulis fez um treinamento com técnicos enviados pela franquia e, agora, atua em uma nova área. Sobre a intermediação da Caritas, ela considera muito importante. “Porque faz tempo estava tentando arrumar um emprego registrado e não dava certo. Precisava de uma oportunidade de trabalho da onde conseguiria ajudar a minha família, ter minha renda e eles (a Caritas) me ajudaram muito”, atesta.


     A cafeteria funciona na Rua Engenheiro Schamber, 913, desde o último dia 23. É o primeiro empreendimento do casal Jackson André Munhoz e Elaine Cristina Troyner Munhoz. Jackson é filho de imigrantes e conta que tanto ele como os pais e tios moraram nos Estados Unidos. “Essa questão de imigrante eu sei bem o que é. Por isso quando a Gislaine falou do projeto eu fiquei muito emocionado em saber que, de certa forma, eu iria poder ajudar uma imigrante porque eu sei o que eles passam em outro país. Eu estava precisando da mão- de-obra e a gente encontrou a Obdulis. Uma menina sensacional, que se encaixou perfeitamente na nossa necessidade: simpatia, agilidade, é observadora, tranquila, uma excepcional profissional”, argumenta.


     De acordo com Munhoz, o casal entrevistou outras duas pessoas, também migrantes. “Também muito boas. De uma delas gostamos muito a ponto de termos vontade de colocar mais de um migrante na empresa. Considero um charme, um diferencial para o Café, ter uma funcionária falando com sotaque espanhol. Apesar de a Obdulis falar corretamente o Português”, brincou, dizendo não descartar a possibilidade. “A lista de opções era muito boa. Além disso, a brasileira que fez todo o treinamento conosco pediu demissão no dia em que iríamos começar a atender sozinhos, sem a supervisão da franquia. Tive que contratar outra funcionária”, cita.


     A acadêmica de Serviço Social e responsável pelo Projeto Caminhos de Oportunidades na Caritas Diocesana, Gislaine da Rosa, afirma que a iniciativa tem conseguido mostrar aos empresários toda a formação e competência que o migrante tem. “Muitos desses migrantes têm graduação, cursos técnicos e falam mais de um idioma. Os migrantes, quando chegam no Brasil, fazem curso de Português e vários outros cursos para poder se colocar no mercado de trabalho. Então, no momento que realizamos essa sensibilização com as empresas, mostramos que essas pessoas estão aptas a trabalhar, pois além da formação e da experiência que eles trazem dos seus países, eles ainda procuram se especializar dentro do nosso país”.


     De acordo com Gislaine, quando se sensibiliza os empresários quanto a uma vaga de trabalho que está sendo ofertada, buscamos apresentar o perfil dos migrantes para aquela vaga e até mesmo para futuras vagas que possam ser abertas. ”Desse modo, é importantíssimo esse contato da Caritas com as empresas”, enfatiza. O Projeto Caminhos de Oportunidades é realizado com apoio da Organização Internacional para a Migração. Além de cursos de capacitação em diversas áreas, os migrantes receberam também oficinas de elaboração de currículo e de entrevista, e de como montar uma empresa.


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Tradicional bênção dos veículos será nesta sexta   |   Jovens terão dias de convivência em seminário   |   Ciclistas percorrem 651 km na Rota do Rosário   |   Os Santos Reis lembrados em procissão   |  





Publicado em: 29/10/2021

Projeto da Caritas emprega migrante

Venezuelana Obdulis Lopez foi contratada em uma cafeteria

 

   Começa a dar frutos o Projeto Caminhos de Oportunidades, realizado desde 15 de maio pela Caritas Paraná e Caritas Diocesana para promover a integração entre migrantes e empresários. Mais que isso: capacitar os migrantes para que tenham acesso ao mercado de trabalho, garantindo um recomeço digno no país que escolheram para viver. A venezuelana Obdulis Del Valle Lopez Lopez, que está há dois anos e dois meses no Brasil, foi contratada por uma cafeteria recém-inaugurada no centro de Ponta Grossa. “Meu sentimento é de muita alegria”, resumia Obdulis.


     A venezuelana de 28 anos, casada e que tem o marido trabalhando por dia, conta que estava precisando muito ter uma renda fixa. “Já havia falhado em uma oportunidade e me indicaram que seria bom participar do projeto. Graças a Deus, deu certo”, destaca, garantindo que está gostando muito. “Eu estou como atendente do público e barista. Tinha experiência, mas na área de vendas e como auxiliar de cozinha. Na parte de cafés, não tinha conhecimento”, detalha. Obdulis fez um treinamento com técnicos enviados pela franquia e, agora, atua em uma nova área. Sobre a intermediação da Caritas, ela considera muito importante. “Porque faz tempo estava tentando arrumar um emprego registrado e não dava certo. Precisava de uma oportunidade de trabalho da onde conseguiria ajudar a minha família, ter minha renda e eles (a Caritas) me ajudaram muito”, atesta.


     A cafeteria funciona na Rua Engenheiro Schamber, 913, desde o último dia 23. É o primeiro empreendimento do casal Jackson André Munhoz e Elaine Cristina Troyner Munhoz. Jackson é filho de imigrantes e conta que tanto ele como os pais e tios moraram nos Estados Unidos. “Essa questão de imigrante eu sei bem o que é. Por isso quando a Gislaine falou do projeto eu fiquei muito emocionado em saber que, de certa forma, eu iria poder ajudar uma imigrante porque eu sei o que eles passam em outro país. Eu estava precisando da mão- de-obra e a gente encontrou a Obdulis. Uma menina sensacional, que se encaixou perfeitamente na nossa necessidade: simpatia, agilidade, é observadora, tranquila, uma excepcional profissional”, argumenta.


     De acordo com Munhoz, o casal entrevistou outras duas pessoas, também migrantes. “Também muito boas. De uma delas gostamos muito a ponto de termos vontade de colocar mais de um migrante na empresa. Considero um charme, um diferencial para o Café, ter uma funcionária falando com sotaque espanhol. Apesar de a Obdulis falar corretamente o Português”, brincou, dizendo não descartar a possibilidade. “A lista de opções era muito boa. Além disso, a brasileira que fez todo o treinamento conosco pediu demissão no dia em que iríamos começar a atender sozinhos, sem a supervisão da franquia. Tive que contratar outra funcionária”, cita.


     A acadêmica de Serviço Social e responsável pelo Projeto Caminhos de Oportunidades na Caritas Diocesana, Gislaine da Rosa, afirma que a iniciativa tem conseguido mostrar aos empresários toda a formação e competência que o migrante tem. “Muitos desses migrantes têm graduação, cursos técnicos e falam mais de um idioma. Os migrantes, quando chegam no Brasil, fazem curso de Português e vários outros cursos para poder se colocar no mercado de trabalho. Então, no momento que realizamos essa sensibilização com as empresas, mostramos que essas pessoas estão aptas a trabalhar, pois além da formação e da experiência que eles trazem dos seus países, eles ainda procuram se especializar dentro do nosso país”.


     De acordo com Gislaine, quando se sensibiliza os empresários quanto a uma vaga de trabalho que está sendo ofertada, buscamos apresentar o perfil dos migrantes para aquela vaga e até mesmo para futuras vagas que possam ser abertas. ”Desse modo, é importantíssimo esse contato da Caritas com as empresas”, enfatiza. O Projeto Caminhos de Oportunidades é realizado com apoio da Organização Internacional para a Migração. Além de cursos de capacitação em diversas áreas, os migrantes receberam também oficinas de elaboração de currículo e de entrevista, e de como montar uma empresa.


 


Diocede Ponta Grossa
Obdulis fez treinamento e atua como barista   |   Café Inverno D’Italia PG

Diocede Ponta Grossa
O Café fica no centro da cidade e está com um bom movimento   |   Café Inverno D’Italia PG


Navegue até a sua Paróquia