DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 06/06/2022

Festa do Divino volta às ruas

Procissão e missa atraíram dezenas de devotos

 
O culto ganha às ruas em um culto dos mais antigos da Igreja O culto ganha às ruas em um culto dos mais antigos da Igreja | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

Os tributos ao Divino Espírito Santo começaram em Ponta Grossa já desde 28 de maio, mas foi domingo (5), Dia de Pentecostes, o ponto alto religioso da festa. Nessa data, que é celebrada 50 dias após o domingo de Páscoa, os católicos lembram a descida do Espírito Santo sobre Maria e os apóstolos. O culto ao Espírito Santo é uma das mais antigas e difundidas práticas do catolicismo popular. Na cidade, ela persiste desde 1882, quando Maria Júlia Xavier encontrou uma litografia com a imagem do Espírito Santo nas proximidades da Fazenda Carambeí, no caminho para a cidade de Castro.


     Contava-se que ‘Nhá Maria do Divino’, como ficou conhecida Maria Júlia, sofria das faculdades mentais e teria ficado curada após encontrar a referida imagem. A notícia da cura logo se espalhou e a imagem foi trazida para a casa da rua Santos Dumont, em Ponta Grossa, onde até hoje se encontra. Tendo falecido antes de conseguir construir uma capela em honra ao Divino Espírito Santo, Nhá Maria deixou a residência ao sobrinho, Luiz Joaquim Ribeiro que, com a esposa, Zeferina Ribeiro, passaram a tomar conta da imagem e, em 1917, abriram o local para a visitação pública.


     Antes da pandemia, o número de frequentadores oscilava entre 30 e 40 visitas diárias. Assim também a Festa do Divino que, anualmente, atraía centenas de devotos. Este ano, após dois anos sem ser realizada, houve a tradicional procissão, saindo da frente da Casa do Divino, com as bandeiras e a imagem do Divino, e que seguiu à Catedral Sant’Ana. A missa foi celebrada pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi e concelebrada por padre Antônio Ivan de Campos. Durante todo o dia, foram vendidos pastel, bolo, café, bebidas, além de almoço.


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Missa celebra jubileu de convento   |   50 anos do Convento Espírito Santo   |   Diocese de Ponta Grossa vai enviar 25 participantes à Assembleia do Povo de Deus   |   Institutos Seculares se reúnem em Ponta Grossa   |  





Publicado em: 06/06/2022

Festa do Divino volta às ruas

Procissão e missa atraíram dezenas de devotos

 

Os tributos ao Divino Espírito Santo começaram em Ponta Grossa já desde 28 de maio, mas foi domingo (5), Dia de Pentecostes, o ponto alto religioso da festa. Nessa data, que é celebrada 50 dias após o domingo de Páscoa, os católicos lembram a descida do Espírito Santo sobre Maria e os apóstolos. O culto ao Espírito Santo é uma das mais antigas e difundidas práticas do catolicismo popular. Na cidade, ela persiste desde 1882, quando Maria Júlia Xavier encontrou uma litografia com a imagem do Espírito Santo nas proximidades da Fazenda Carambeí, no caminho para a cidade de Castro.


     Contava-se que ‘Nhá Maria do Divino’, como ficou conhecida Maria Júlia, sofria das faculdades mentais e teria ficado curada após encontrar a referida imagem. A notícia da cura logo se espalhou e a imagem foi trazida para a casa da rua Santos Dumont, em Ponta Grossa, onde até hoje se encontra. Tendo falecido antes de conseguir construir uma capela em honra ao Divino Espírito Santo, Nhá Maria deixou a residência ao sobrinho, Luiz Joaquim Ribeiro que, com a esposa, Zeferina Ribeiro, passaram a tomar conta da imagem e, em 1917, abriram o local para a visitação pública.


     Antes da pandemia, o número de frequentadores oscilava entre 30 e 40 visitas diárias. Assim também a Festa do Divino que, anualmente, atraía centenas de devotos. Este ano, após dois anos sem ser realizada, houve a tradicional procissão, saindo da frente da Casa do Divino, com as bandeiras e a imagem do Divino, e que seguiu à Catedral Sant’Ana. A missa foi celebrada pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi e concelebrada por padre Antônio Ivan de Campos. Durante todo o dia, foram vendidos pastel, bolo, café, bebidas, além de almoço.


 


Diocede Ponta Grossa
O culto ganha às ruas em um culto dos mais antigos da Igreja   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Dom Sergio e Lídia, ao lado dos cantadores e devotos na procissão   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A procissão sai da Casa do Divino e chega à Catedral   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A missa é rezada, tradicionalmente na igreja-mãe da Diocese   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Padre Ivan ao lado da coordenadora da Casa do Divino e de Dom Sergio   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O bispo faz questão de participar das celebrações todos os anos   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Os devotos vêm de diversos lugares para os festejos   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia