DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 17/06/2022

Jesus Eucarístico abençoou o povo nas ruas em todo o mundo

Gesto concreto da procissão arrecadou 760 quilos de comida

 
Procissão é um momento de confraternização e devoção Procissão é um momento de confraternização e devoção | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

       “Voltemos certos que Jesus nos olhou, nos encorajou, nos disse: saiam! É preciso caminhar juntos! ” A frase dita pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi logo após a bênção solene com o Santíssimo acalantou o coração de quem veio acompanhar a procissão de Corpus Christi, nesta quinta-feira (16). E, novamente, foram milhares. Cada um a seu jeito, da forma como pôde, mas com igual fé. Tuffic Pedroso, de 87 anos, dava passos curtos e lentos, amparado pela esposa e pelo filho. Andou duas quadras e voltou para casa, para acompanhar pela rádio. Paulinho Hoffman, de 62, caminhava escorado por uma muleta, com dificuldade de locomoção, resquício de quatro cirurgias no cérebro. José Augusto Silva veio de bicicleta, comandando outros 20 ciclistas do Grupo Pedal Bike Mania.


     Em comum, todos tinham a alegria de voltar a participar da procissão, por dois anos cancelada devido a pandemia. Paulinho Hoffman, paroquiano da Paróquia São Francisco, no Sabará, participava do Terço dos Homens até adoecer, em 2012. De lá para cá, foram quatro cirurgias para retirar um tumor no cérebro – em 2012, 2015, 2019 e 2021 – e um infarto. Várias sequelas, a principal, problemas para caminhar. “Em fevereiro, um exame comprovou que o tumor se foi, graças a Deus! Quis vim rezar pela minha cura e pelos doentes e também pela minha família”, afirmava. Ele, que, no momento da chegada do Santíssimo, fez questão de levantar e ficar em pé até o momento da bênção. “Não tinha como não vir. Depois de dois anos sem eu precisava estar aqui”, contava a aposentada Dinarci Verbuca, ministra da Eucaristia na Capela Maria Mãe da Igreja, no Jardim Progresso.


     Os ciclistas se organizaram pela rede social. Vieram 20 deles: casais, crianças, jovens...Seguiram o cortejo, atrás do povo. “Marcamos para acompanhar a procissão e daqui sair para um tour pela cidade. É a primeira vez que fazemos isso e muita gente gostou da ideia. É um momento muito bonito”, comentava o administrador do Pedal Bike Mania, José Augusto da Silva. Os cerca de 50 mil católicos se prostravam perante a hóstia consagrada ao longo de todo o percurso. Muita gente tinha levado cadeira para aguardar a passagem do Santíssimo. Crianças no colo, na garupa ou em carrinhos de bebê aprendiam desde cedo o caminho da fé. Gente também aguardava nas entradas de prédios, varandas das casas e sacadas. Todos rezavam e cantavam, orquestrados pelo som da Rádio Sant’Ana, que transmitia a procissão em tempo real.


     Os mais de 3,5 quilômetros do trajeto da procissão foram ornamentados por representantes de 33 organismos entre paróquias, pastorais, associações e movimentos católicos em tapetes nas principais ruas da cidade. As ilustrações envolviam arte, beleza, elementos da cultura religiosa e história. Pedidos de oração, agradecimentos de graças, em recados ou cartazes também compuseram a decoração. O Instituto dos Irmãos Maristas participou pela primeira vez da ornamentação. “É um momento muito importante para manifestarmos a nossa fé pelas ruas da cidade. É a primeira vez que assumimos esse compromisso. Preparamos com muito carinho, muito cuidado, envolvemos alunos e algumas famílias”, comentava o coordenador de Pastoral e diretor interino do Colégio Marista Pio XII, Osmar Mackeivicz, citando que o tapete fazia referência a Eucaristia, à Campanha da Fraternidade e a opção marista pelos jovens. 


    O bispo Dom Sergio Arthur Braschi foi quem carregou o Santíssimo pelos perto de 2,4 metros de tapete ornamentado. Dom Sergio ressaltava, ao final da procissão, que Jesus abençoava e contemplava os participantes e suas famílias. O bispo citou o ‘caminhar juntos’ apregoado pelo Sínodo 2021-2023, a participação e a missão como os alicerces da Igreja. “Somos o povo da Eucaristia, que nos alimentamos de Jesus, presença real na Eucaristia. É a Eucaristia que faz a Igreja acontecer. Com a pandemia não pudemos participar. No primeiro ano, Jesus foi aos hospitais, que estavam cheios de doentes pela Covid. Nós não. No segundo ano, não pudemos acompanhar, mas, de novo, Jesus levou a bênção aos quatro Setores, que representaram todas as paróquias. Somos um povo de fé, que não se acomoda, que vive em comunhão, caminhando junto para a educação e a paz”, enalteceu o bispo.


Gesto concreto


     A Solenidade de Corpus Christi teve como gesto concreto a arrecadação de alimentos para atender famílias em situação de vulnerabilidade. Foram nove pontos de coleta ao longo do trajeto. De acordo com o presidente dos Vicentinos da Diocese de Ponta Grossa, Sandro Brigolla, foram arrecadados aproximadamente 765 quilos de alimentos diversos: óleo, trigo, feijão, arroz, macarrão, café, açúcar, fubá/Polentina, farinha de mandioca, sal, leite, biscoito, além de ervilha, maionese e materiais de higiene pessoal (creme dental, sabonete) e detergente, álcool. 


     Esses alimentos serão encaminhados na semana que vem para as paróquias da Diocese e serão distribuídos para as famílias carentes atendidas pelos Vicentinos.


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Jovem da Diocese de Ponta Grossa vai representar o Paraná em missão nacional   |   hightech   |   tesdtetetetete   |   Tibagi tem relíquias de nova santa católica   |  





Publicado em: 17/06/2022

Jesus Eucarístico abençoou o povo nas ruas em todo o mundo

Gesto concreto da procissão arrecadou 760 quilos de comida

 

       “Voltemos certos que Jesus nos olhou, nos encorajou, nos disse: saiam! É preciso caminhar juntos! ” A frase dita pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi logo após a bênção solene com o Santíssimo acalantou o coração de quem veio acompanhar a procissão de Corpus Christi, nesta quinta-feira (16). E, novamente, foram milhares. Cada um a seu jeito, da forma como pôde, mas com igual fé. Tuffic Pedroso, de 87 anos, dava passos curtos e lentos, amparado pela esposa e pelo filho. Andou duas quadras e voltou para casa, para acompanhar pela rádio. Paulinho Hoffman, de 62, caminhava escorado por uma muleta, com dificuldade de locomoção, resquício de quatro cirurgias no cérebro. José Augusto Silva veio de bicicleta, comandando outros 20 ciclistas do Grupo Pedal Bike Mania.


     Em comum, todos tinham a alegria de voltar a participar da procissão, por dois anos cancelada devido a pandemia. Paulinho Hoffman, paroquiano da Paróquia São Francisco, no Sabará, participava do Terço dos Homens até adoecer, em 2012. De lá para cá, foram quatro cirurgias para retirar um tumor no cérebro – em 2012, 2015, 2019 e 2021 – e um infarto. Várias sequelas, a principal, problemas para caminhar. “Em fevereiro, um exame comprovou que o tumor se foi, graças a Deus! Quis vim rezar pela minha cura e pelos doentes e também pela minha família”, afirmava. Ele, que, no momento da chegada do Santíssimo, fez questão de levantar e ficar em pé até o momento da bênção. “Não tinha como não vir. Depois de dois anos sem eu precisava estar aqui”, contava a aposentada Dinarci Verbuca, ministra da Eucaristia na Capela Maria Mãe da Igreja, no Jardim Progresso.


     Os ciclistas se organizaram pela rede social. Vieram 20 deles: casais, crianças, jovens...Seguiram o cortejo, atrás do povo. “Marcamos para acompanhar a procissão e daqui sair para um tour pela cidade. É a primeira vez que fazemos isso e muita gente gostou da ideia. É um momento muito bonito”, comentava o administrador do Pedal Bike Mania, José Augusto da Silva. Os cerca de 50 mil católicos se prostravam perante a hóstia consagrada ao longo de todo o percurso. Muita gente tinha levado cadeira para aguardar a passagem do Santíssimo. Crianças no colo, na garupa ou em carrinhos de bebê aprendiam desde cedo o caminho da fé. Gente também aguardava nas entradas de prédios, varandas das casas e sacadas. Todos rezavam e cantavam, orquestrados pelo som da Rádio Sant’Ana, que transmitia a procissão em tempo real.


     Os mais de 3,5 quilômetros do trajeto da procissão foram ornamentados por representantes de 33 organismos entre paróquias, pastorais, associações e movimentos católicos em tapetes nas principais ruas da cidade. As ilustrações envolviam arte, beleza, elementos da cultura religiosa e história. Pedidos de oração, agradecimentos de graças, em recados ou cartazes também compuseram a decoração. O Instituto dos Irmãos Maristas participou pela primeira vez da ornamentação. “É um momento muito importante para manifestarmos a nossa fé pelas ruas da cidade. É a primeira vez que assumimos esse compromisso. Preparamos com muito carinho, muito cuidado, envolvemos alunos e algumas famílias”, comentava o coordenador de Pastoral e diretor interino do Colégio Marista Pio XII, Osmar Mackeivicz, citando que o tapete fazia referência a Eucaristia, à Campanha da Fraternidade e a opção marista pelos jovens. 


    O bispo Dom Sergio Arthur Braschi foi quem carregou o Santíssimo pelos perto de 2,4 metros de tapete ornamentado. Dom Sergio ressaltava, ao final da procissão, que Jesus abençoava e contemplava os participantes e suas famílias. O bispo citou o ‘caminhar juntos’ apregoado pelo Sínodo 2021-2023, a participação e a missão como os alicerces da Igreja. “Somos o povo da Eucaristia, que nos alimentamos de Jesus, presença real na Eucaristia. É a Eucaristia que faz a Igreja acontecer. Com a pandemia não pudemos participar. No primeiro ano, Jesus foi aos hospitais, que estavam cheios de doentes pela Covid. Nós não. No segundo ano, não pudemos acompanhar, mas, de novo, Jesus levou a bênção aos quatro Setores, que representaram todas as paróquias. Somos um povo de fé, que não se acomoda, que vive em comunhão, caminhando junto para a educação e a paz”, enalteceu o bispo.


Gesto concreto


     A Solenidade de Corpus Christi teve como gesto concreto a arrecadação de alimentos para atender famílias em situação de vulnerabilidade. Foram nove pontos de coleta ao longo do trajeto. De acordo com o presidente dos Vicentinos da Diocese de Ponta Grossa, Sandro Brigolla, foram arrecadados aproximadamente 765 quilos de alimentos diversos: óleo, trigo, feijão, arroz, macarrão, café, açúcar, fubá/Polentina, farinha de mandioca, sal, leite, biscoito, além de ervilha, maionese e materiais de higiene pessoal (creme dental, sabonete) e detergente, álcool. 


     Esses alimentos serão encaminhados na semana que vem para as paróquias da Diocese e serão distribuídos para as famílias carentes atendidas pelos Vicentinos.


 


Diocede Ponta Grossa
Procissão é um momento de confraternização e devoção   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O Santíssimo saiu da frente do Asilo, passou pela Balduíno Taques e desceu a Avenida Vicente Machado   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Dom Sergio foi quem carregou o Santíssimo   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Ministros, padres e diáconos perfilados para a passagem do Santíssimo   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Os maristas participaram pela primeira vez da ornamentação dos tapetes   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Aproximadamente 50 mil pessoas foram para as ruas   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia