DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros




Na Trilha da Fé
Publicado em: 28/12/2020

Congregações Centenárias

Ponta Grossa recebe em 1835 os primeiros imigrantes estrangeiros

 
| Crédito: Acervo Casa da Memória Paraná

     Ainda uma Freguesia, Ponta Grossa além dos tropeiros, fazendeiros e escravos, começa a receber, em 1835, os primeiros imigrantes estrangeiros. Eram alemães e suíços, que se fixaram, inicialmente, no entorno de Curitiba. A partir de 1878, chegaram também os russos-alemães. Eram imigrantes católicos e alguns luteranos. Os católicos passaram a frequentar a igreja matriz de Sant’Ana e a Capela Nossa Senhora do Rosário, auxiliando na construção da Capela do Divino Espírito Santo (São Vendelino), na Colônia Dona Luíza. Em 1895, chegaram os poloneses.  

     Como já contamos aqui, era forte religiosidade do povo, que era atendido espiritualmente por carmelitas, jesuítas e franciscanos. E com a vinda dos imigrantes, algumas congregações europeias também vieram, ainda que um pouco mais tarde. Eram masculinas e femininas, e, já atuavam na região antes mesmo da criação da Diocese, em 1926. Foi o caso das Servas Missionárias Servas do Espírito Santo, estabelecidas na atual Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em 1905, e das Irmãs de São José de Chambéry, fixadas na Paróquia Imaculada Conceição, no bairro de Uvaranas, em 1906.

     A Congregação das Servas Missionárias do Espírito Santo foi fundada pelo padre alemão Arnaldo Janssen com o intuito de evangelizar e educar. Está atualmente em 53 países. Na Diocese, sua história completou 115 anos em 2020. Por iniciativa do arcebispo de Curitiba, dom João Francisco Braga, fundaram em março de 1905, o Colégio Sant’Ana, que ocupava, na época, um casario de madeira na Rua Coronel Cláudio. Além das matérias do curso primário, oferecia aulas de Francês, Alemão, Música, Pintura e Trabalhos Manuais. Por insistência do bispo dom Antônio Mazzarotto, fundaram o primeiro ginásio sob a direção de religiosos de Ponta Grossa.

     As Irmãs de São José de Chambéry nasceram de um movimento de vida religiosa apostólica feminina idealizado na França. Desde sempre, sua missão era cuidar da vida. Na Diocese de Ponta Grossa, as Irmãs de São José foram as administradoras do Hospital 26 de Outubro, fundado em 1906 pela Associação dos Empregados da Estrada de Ferro da linha Itararé para prestar atendimento médico-hospitalar e fornecer alimentos aos carentes. Mantinham diversas comunidades e serviços. O Colégio São José, atual Colégio Sepam, em Castro, era da congregação, que também prestava assistência na Santa Casa de Misericórdia, da qual esteve à frente por 99 anos. Hoje, não estão mais presentes na Diocese devido ao pequeno número de religiosas.


∗Fontes / Bibliografias:

- CNBB no Paraná e a história da evangelização, Carlos Alberto Chiquim. Instituto Gaudium de Proteção a Vida, 2005, Curitiba.

- Diocese de Ponta Grossa 1926-1976; Ponta Grossa, 1976.

- Padre Jaime Rossa, vigário geral da Diocese de Ponta Grossa


  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Igreja prepara o Natal do amor   |   RCC elege coordenadores setoriais   |   Nota Oficial   |   Imagem de Cristo Rei de praça recebe bênção   |  





Publicado em: 28/12/2020

Congregações Centenárias

Ponta Grossa recebe em 1835 os primeiros imigrantes estrangeiros

 

     Ainda uma Freguesia, Ponta Grossa além dos tropeiros, fazendeiros e escravos, começa a receber, em 1835, os primeiros imigrantes estrangeiros. Eram alemães e suíços, que se fixaram, inicialmente, no entorno de Curitiba. A partir de 1878, chegaram também os russos-alemães. Eram imigrantes católicos e alguns luteranos. Os católicos passaram a frequentar a igreja matriz de Sant’Ana e a Capela Nossa Senhora do Rosário, auxiliando na construção da Capela do Divino Espírito Santo (São Vendelino), na Colônia Dona Luíza. Em 1895, chegaram os poloneses.  

     Como já contamos aqui, era forte religiosidade do povo, que era atendido espiritualmente por carmelitas, jesuítas e franciscanos. E com a vinda dos imigrantes, algumas congregações europeias também vieram, ainda que um pouco mais tarde. Eram masculinas e femininas, e, já atuavam na região antes mesmo da criação da Diocese, em 1926. Foi o caso das Servas Missionárias Servas do Espírito Santo, estabelecidas na atual Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em 1905, e das Irmãs de São José de Chambéry, fixadas na Paróquia Imaculada Conceição, no bairro de Uvaranas, em 1906.

     A Congregação das Servas Missionárias do Espírito Santo foi fundada pelo padre alemão Arnaldo Janssen com o intuito de evangelizar e educar. Está atualmente em 53 países. Na Diocese, sua história completou 115 anos em 2020. Por iniciativa do arcebispo de Curitiba, dom João Francisco Braga, fundaram em março de 1905, o Colégio Sant’Ana, que ocupava, na época, um casario de madeira na Rua Coronel Cláudio. Além das matérias do curso primário, oferecia aulas de Francês, Alemão, Música, Pintura e Trabalhos Manuais. Por insistência do bispo dom Antônio Mazzarotto, fundaram o primeiro ginásio sob a direção de religiosos de Ponta Grossa.

     As Irmãs de São José de Chambéry nasceram de um movimento de vida religiosa apostólica feminina idealizado na França. Desde sempre, sua missão era cuidar da vida. Na Diocese de Ponta Grossa, as Irmãs de São José foram as administradoras do Hospital 26 de Outubro, fundado em 1906 pela Associação dos Empregados da Estrada de Ferro da linha Itararé para prestar atendimento médico-hospitalar e fornecer alimentos aos carentes. Mantinham diversas comunidades e serviços. O Colégio São José, atual Colégio Sepam, em Castro, era da congregação, que também prestava assistência na Santa Casa de Misericórdia, da qual esteve à frente por 99 anos. Hoje, não estão mais presentes na Diocese devido ao pequeno número de religiosas.


∗Fontes / Bibliografias:

- CNBB no Paraná e a história da evangelização, Carlos Alberto Chiquim. Instituto Gaudium de Proteção a Vida, 2005, Curitiba.

- Diocese de Ponta Grossa 1926-1976; Ponta Grossa, 1976.

- Padre Jaime Rossa, vigário geral da Diocese de Ponta Grossa


Diocede Ponta Grossa
  |   Acervo Casa da Memória Paraná


Navegue até a sua Paróquia